Ônibus de Santos tem problemas na rede Wi-Fi

Pessoas que utilizam o transporte público reclamam do serviço e questionam valor da passagem

Comentar
Compartilhar
01 MAI 2019Por Laís Mazagão07h20
Em 2014, Santos passou a ter 100% da sua frota com sistema de acesso à internet gratuitaFoto: Nair Bueno/DL

Em 2014, a cidade de Santos anunciou ser a primeira cidade brasileira a ter 100% da sua frota de ônibus com sistema de acesso à internet gratuita. Todos os ônibus e trólebus, teoricamente, possuem rede com sinal Wi-Fi aberto. Esse seria o fim do problema de quem não possui internet móvel no celular e precisa encontrar alguma informação, se comunicar pelas redes sociais, encontrar a melhor rota e até descobrir qual a linha correta para chegar ao seu destino pelo smartphone. Mas não é exatamente assim que está funcionando.

Durante a reportagem, foram testadas algumas linhas diferentes que transitam pela Avenida Ana Costa e no Terminal Rodoviário do Valongo. Para acessar o sistema Wi-Fi é preciso buscar pelo sinal "piracicabana" e em seguida acessar a rede no navegador e aceitar os termos. Em três carros das linhas - os ônibus 193, 155 e 156 - não apareceu nem mesmo o sinal para conectar, enquanto em outros apareciam, mas em seguida vinha a mensagem dizendo que "a internet pode estar indisponível" - como nas linhas 139 e 152 - impedindo de dar continuidade para entrar na rede e se conectar.

Desde a data de efetivação desse sistema, muitas pessoas que utilizam o transporte público diariamente - incluindo diferentes linhas - reclamaram que o Wi-Fi dos ônibus estavam apenas "no colante da porta de entrada", como conta a estudante e vendedora Alessandra Rodrigues. "Eu realmente desisti de tentar conectar a internet do ônibus. Eu uso o transporte para ir e voltar do trabalho e da faculdade. Da Zona Noroeste para o centro e para a Conselheiro Nébias. Consegui pouquíssimas vezes indo para a faculdade. Não dá para andar sem nosso próprio 4G. Mas a passagem é cobrada certinha, nunca falta", reclama.

Ao andar pelo terminal é comum ver jovens com uniformes escolares também procurando acessar. "Estou tentando avisar meu pai que cheguei, para ele vir me buscar. Mas não estou conseguindo conectar em nenhum dos sinais", explicou a estudante Mariana Nunes enquanto andava de um lado para o outro na plataforma, buscando sinal.

Localização

Em nota, a Prefeitura Municipal de Santos informou que o sistema de internet sem fio é disponibilizado em 100% da frota municipal. Contudo, em alguns locais a captação do sinal sofre interferências externas que afetam a qualidade da conexão.

A permissionária do serviço de transporte coletivo fez testes e detectou que o Terminal do Valongo é um dos locais em que há dificuldade de conexão, provavelmente pela proximidade com as áreas de morros. A empresa estuda com a operadora de telefonia uma solução para o problema.

Valor da tarifa

"Se fosse só a conexão estava bom. Mas e o ar-condicionado? Sempre tem alguém passando mal dentro do ônibus no verão, que mais sofre é o idoso. É uma briga para pegar o ônibus geladinho, decente, mas a passagem que paga um bom que tem ar e Wi-Fi e um todo ruim, quente e com os bancos quebrados é o mesmo preço" conta a balconista Elizete Martins.

O valor da tarifa de Santos sofreu vários reajustes desde que as redes foram instaladas. Em 2014, o preço da passagem era R$ 2,90, aumentando para R$ 3,95 em 2015. Vinte meses depois, em 2017, o valor subiu para R$ 3,85 e então R$ 4,05 em 2018, antes de ser alterado para a atual tarifa de R$ 4,30 em janeiro deste ano - o que acabou levantando o público a fazer várias outras reclamações.

"A gente já precisa de quase R$ 10,00 para ir e voltar para qualquer lugar. E ainda vamos assim: às vezes no calor, às vezes sem internet, as vezes num banco com o encosto quebrado. Mas temos que ir, né?", finaliza Elizete.

Colunas

Contraponto