Ônibus de Guarujá pode parar no dia 4

Trabalhadores e Translitoral pressionam por 8% de aumento. O sindicato publicará o aviso de greve hoje e fará duas assembleias, na segunda-feira

Comentar
Compartilhar
27 JUN 201410h31

Os 500 motoristas e 300 empregados de manutenção, fiscalização e escritórios da Translitoral — concessionária do transporte coletivo de Guarujá — estão em estado de greve. Eles poderão paralisar, a partir do próximo dia 4, os 177 ônibus, de aproximadamente 30 linhas urbanas, que transportam 75 mil passageiros por dia.

A decisão foi aprovada em duas assembleias do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Santos e Região, na última quarta-feira (25). As assembleias recusaram proposta da empresa, que não previa nenhum reajuste para os motoristas, mas apenas a incorporação de dupla função de R$ 283,00 aos salários.

Aos demais empregados, a Translitoral oferecia reajuste salarial de 7%, sem qualquer correção nos benefícios como vale-refeição e cesta básica. Os trabalhadores reivindicam a incorporação da dupla função aos salários, reajuste de 8%, extensivo aos benefícios de todos os empregados, e vale-refeição de R$ 16,00.

Usuários poderão pagar, no mínimo, R$ 3,10 (Foto: Matheus Tagé/DL)

Greve

O sindicato publicará o aviso de greve hoje e fará duas assembleias, na segunda-feira (30), para apreciar eventual proposta nova da empresa. Com data-base em maio, os motoristas têm salário de R$ 1.888,00; vale-refeição de R$ 13,00 e cesta básica de R$ 83,00. As duas assembleias apresentaram várias reclamações contra a empresa.

Tarifa R$ 3,10

Não se sabe se coincidência, ou não, mas a empresa também está reivindicando 8% de aumento à Prefeitura de Guarujá. Se isso ocorrer, a tarifa do ônibus poderá ser reajustada de R$ 2,90 para R$ 3,10. Em ata do edital da 47ª reunião da Rede de Transporte de Guarujá (RTG) — formada por representantes e usuários do transporte público, associações de moradores, concessionária e sindicato dos empregados, além de representantes dos estudantes — o representante da empresa solicitou, em caráter de urgência, que seja analisado o processo de revisão da tarifa com base na planilha de custos apresentada em fevereiro último.

Segundo a Translitoral, o valor atual da tarifa não envolve o reajuste de mão-de-obra de 2013 e a negociação que está em curso com os trabalhadores, “que deve girar em torno de 8%, percentual que normalmente está sendo aplicado para a categoria em outras cidades”, alerta o responsável pela empresa que participou da reunião.

Finalizando, o representante informou à Administração que o valor da tarifa vigente (R$ 2,90) não contempla os últimos reajustes de óleo diesel, insumo que, segundo a Translitoral, tem grande impacto na composição do custo final.