Oficinas de capacitação da Ceviss orientam rede de atendimento

As capacitações prosseguem até 16 de dezembro, semanalmente, atingindo toda a rede de envolvidos no atendimento às vítimas de violência.

Comentar
Compartilhar
29 OUT 201313h45

A primeira oficina de capacitação da Ceviss (Comissão Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual Infanto-Juvenil) sobre o fluxo de atendimento às vítimas de abuso sexual foi realizada quarta-feira (23) à tarde, na Esamc, com participação de coordenadores pedagógicos, professores municipais e estaduais, assistentes sociais, funcionários da saúde e do esporte da rede municipal.

As advogadas Flávia Rios e Verônica Teresi, especialistas na área infanto juvenil, explicaram como agir em casos de suspeita ou confirmação de abuso ou violência sexual. O primeiro passo é procurar os serviços de saúde, para pronto atendimento, inclusive psicológico se necessário. Depois deve-se procurar o conselho tutelar, encaminhar para o IML (para realizar exame de corpo de delito), fazer boletim de ocorrência e levar o caso aos Creas (Centro de Referência Especializado da Assistência Social). É muito importante o preenchimento da ficha de notificação compulsória, que deve ser enviada à Seviep (Seção de Vigilância Epidemiológica) da Secretaria Municipal de Saúde. Professores devem ficar atentos e agir de acordo com a necessidade de cada caso, segundo Flávia Rios.

Telma Helena Gonçalves Cordella, uma das interlocutoras municipais da Seviep, expôs algumas estatísticas na capacitação. Foram registradas este ano 223 casos de violência. A coordenadora pedagógica Fernanda Chiandott, gostou muito da oficina. “Foi esclarecedora, desconhecíamos a ficha de notificação”.

As capacitações prosseguem até 16 de dezembro, semanalmente, atingindo toda a rede de envolvidos no atendimento às vítimas de violência. O fluxo foi construído pela Ceviss em 2012 e aprovado pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, que financiou as capacitações.