Obras no Deck do Pescador estão terminando

A estimativa da Prefeitura é que a área de apoio do equipamento seja entregue nesta segunda-feira, 17

Comentar
Compartilhar
17 DEZ 2018Por Andressa Aricieri09h45
Houve a remoção de 30 vigas de concreto, pesando aproximadamente 1,7 tonelada cadaHouve a remoção de 30 vigas de concreto, pesando aproximadamente 1,7 tonelada cadaFoto: Nair Bueno/Diário do Litoral

Desde o dia 10 de setembro, o equipamento turístico  Deck do Pescador, localizado na Avenida Almirante Saldanha da Gama s/nº, Ponta da Praia, está passando por reformas devido à fortes ressacas que atingiram a estrutura. A obra era para ter sido entregue no final de novembro, mas devido ao período de chuvas intensas, a restauração foi adiada por alguns dias. 

A Prefeitura afirma que “foi recuperada a estrutura chamada tecnicamente de ‘pescoço’ do acesso (área da entrada) e estão sendo finalizados os últimos detalhes do revestimento cerâmico interno e da fachada”, explica. A estimativa é que a área de apoio seja entregue até hoje. 

A obra envolveu trabalho no mar com a remoção de 51 toneladas de concreto comprometidas pela ressaca.

Foram retiradas do mar 30 vigas de aproximadamente 1,7 tonelada cada. O serviço teve auxílio de dois mergulhadores e um guindaste, que ergueu as peças do mar e depositou sobre as rochas, ao lado da mureta da orla.

O restauro é executado pela Agnus Engenharia, com gerenciamento da pasta de Infraestrutura e Edificações.

O valor da obra é de R$ 779 mil, menor preço da ­licitação.

Pescadores ressaltam a indignação com a demora da obra, porém esperança para voltar a usar. O motorista Luis Paulo pesca no local há oito anos e conta que o Deck já enfrentou três grandes ressacas, e que desde a primeira, a reforma deveria ter sido feita.  “Era pra ser uma obra rápida, já que não tem tanto o que arrumar. Eu acho que esse lugar sofre com esse tipo de erosão porque está muito abaixo do nível do mar”, aponta. 

Expectativas

Pescadores estão esperançosos

Benedito Ferreira da Silva, morador da Cidade, pesca no lugar há mais de 20 anos e disse que sente falta do local. Espera que o poder público saiba aproveitar o espaço e possa fazer algo maior do que é hoje. 

Outro pescador no local é Carlos Felipe, de 67 anos. O morador da cidade de São Paulo costuma vir para Santos quase sempre praticar a pesca. Ele diz que faz uns dois anos, desde a última ressaca forte, que o ponto estava precisando de reformas. “Ele (o Deck) é necessário porque dá mais segurança para nós. O próximo governo só não vai poder parar a obra”, ressalta.

“Torço para que seja muito bom. Nossa esperança é a última que morre. Não podemos deixar de acreditar”, conclui o motorista. 

A obra restaurou 20 dos 70 metros existentes. A prefeitura afirmou que há um estudo para reconstuir os outros 50 metros.