Obras do VLT seguem mesmo com decisão judicial

EMTU não foi notificada pela Justiça sobre determinação de paralisação

Comentar
Compartilhar
21 FEV 201502h45

Passados 15 dias da decisão judicial determinando a paralisação das obras do sistema de Veículo Leve sobre Trilho (VLT) na Baixada Santista, os trabalhos seguem normalmente.

A continuidade das obras se dá por uma questão técnica. A Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) ainda não foi notificada oficialmente da determinação judicial. Enquanto isso não ocorrer, como até a tarde de ontem, a empresa segue tocando o projeto em suas frentes de trabalho.

A decisão da 1ª Câmara Reservada ao Meio Ambiente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) a favor da suspensão dos trabalhos foi tomada no dia 5. O julgamento foi presidido pelo desembargador João Francisco Moreira Viegas, cuja turma no órgão ainda é composta por João Negrini Filho e Ruy Alberto Leme Cavalheiro.

Desde 2013, o Grupo de Atuação Especial do Meio Ambiente (Gaema) do Ministério Público do Estado vem questionando o traçado do VLT no trecho da Avenida Francisco Glicério.

EMTU informa que as frentes de trabalho somam 900 pessoas (Foto: Matheus Tagé/DL)

Em nota encaminhada ontem ao Diário do Litoral, a EMTU esclareceu que “até esta sexta-feira (20/02) a EMTU/SP não foi intimada oficialmente da decisão judicial sobre a paralisação das obras do VLT em trecho da Avenida Francisco Glicério. Assim que isso ocorrer, a empresa adotará as providências de cumprimento da decisão, sem prejuízo da adoção de medidas jurídicas que considerar necessárias”.

Em declaração dada na tarde do dia 6, a promotora do Meio Ambiente Almachia Acerbi foi taxativa: “O Ministério Público foi contra a alteração. Essa mudança foi feita para beneficiar apenas um empresário da Cidade, gastando o nosso dinheiro. O estudo apresentado não demonstra melhora no trânsito, pelo contrário, o trânsito vai piorar”.

Os trabalhos já tinham sido paralisados pela Justiça em janeiro do ano passado. A EMTU conseguiu retomar as obras ao conseguir uma liminar (decisão provisória), que foi derrubada pelo agravo de instrumento do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, no último dia 5.

Ainda de acordo com a EMTU, o VLT está com 90% das obras concluídas em São Vicente e 50% em Santos. Os canteiros reúnem 900 trabalhadores.

Colunas

Contraponto