Obras da primeira usina de compostagem de Santos devem começar em um mês

A unidade terá capacidade para decompor 1,5 mil toneladas de lixo orgânico por ano

Comentar
Compartilhar
14 AGO 2019Por Da Reportagem22h00
A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e estrume, em materiais orgânicos utilizáveisFoto: Divulgação/PMS

Santos terá sua primeira usina piloto de compostagem até o final do ano. A unidade terá capacidade para decompor 1,5 mil toneladas de lixo orgânico por ano, o que irá contribuir para a maior vida útil do aterro sanitário de Sítio das Neves (Área Continental).

A nova usina será construída em uma área de 3.120 m² da Rua Vereador Alfredo das Neves s/nº, na Alemoa Industrial. O processo licitatório para contratar a empresa que irá implementar o projeto foi homologado nesta semana e, em até 30 dias, a partir do contrato assinado entre a empresa vencedora e a Prefeitura, as obras devem iniciar.

De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente, gestora do programa, o local receberá restos de poda urbana, legumes, frutas e verduras de feiras livres, que serão transformados em composto orgânico (adubo) e utilizados nos cuidados dos jardins, praças e parques da Cidade como Jardim Botânico e Orquidário.

 "Toda a sociedade será impactada com a usina piloto de compostagem, pois além do aspecto de educação ambiental que acompanha o programa, a compostagem reduz a quantidade de resíduos que é enviada ao aterro sanitário", explica o secretário de Meio Ambiente, Marcos Libório.

O projeto integra o Programa Municipal Composta Santos, de incentivo à reciclagem de resíduos sólidos orgânicos e promoção da agricultura urbana. A usina será construída pela Construtora Armada, que será responsável pelo fornecimento de material, mão de obra e equipamentos, pelo valor de R$ 129.472,06.

O projeto está orçado em R$ 1 milhão, tem apoio financeiro do Fundo Socioambiental da Caixa Econômica Federal e apoio técnico do Fundo Nacional de Meio Ambiente. Deste total, R$ 11 mil foram contrapartida da Prefeitura.

Colunas

Contraponto