“O primeiro dia foi dramático”

Afirmou um dos diretores da Associação dos Executivos da Baixada Santista (AEBS)

Comentar
Compartilhar
29 JAN 201321h34

“O primeiro dia foi dramático”, afirmou um dos diretores da Associação dos Executivos da Baixada Santista (AEBS), Hailton Santos, sobre o primeiro dia em vigor da nova Zona Máxima de Restrição de Fretamento (ZMRF), implantada pelo prefeito da Capital paulista, Gilberto Kassab.

Hailton disse que os bolsões criados para receber os ônibus fretados não têm vagas de estacionamento suficientes para a demanda que vem das Regiões Metropolitanas da Baixada Santista e de Campinas.

“Os ônibus que chegam em São Paulo no horário entre 7h e 7h30, não enfrentaram problemas. Mas, depois desse horário foi o caos. Na Avenida Bandeirantes, agora os ônibus devem entrar na Rua Alvorada, onde só passa dois ônibus de cada vez, foi muito complicado. No bolsão da Estação Morumbi chegam entre 20, 30 ônibus, e não tinha vaga no estacionamento para todos os ônibus”, contou Hailton.

Segundo ele, a medida de Kassab não prejudica somente os passageiros, mas toda a frota de fretados que está enfrentando problemas no acesso aos bolsões.

“Vamos analisar os próximos dias para ver como será, mas na semana que vem vai ficar mais complicado porque voltam as aulas. A medida não atende às nossas necessidades”, afirmou Hailton.

Hailton informou ainda que a AEBS deverá impetrar ação judicial com pedido de liminar contra o prefeito paulistano Gilberto Kassab para barrar a Zona Máxima de Restrição de Fretamento.

Hailton analisa que a restrição aos fretados obrigará algumas linhas a mudar os horários. “Algumas linhas terão que antecipar o horário de saída da Baixada Santista”.

Hailton prevê ainda queda no número de passageiros que utilizam as linhas de fretados. “Não só perderemos passageiros, como passageiros perderão seus empregos por conta da dificuldade de condução até o serviço. A migração de passageiros é certa. Nós já estamos em vias de perder quatro passageiros”. Hailton disse que só da Baixada Santista saem 110 ônibus operados por cinco associações.