O preço do vandalismo

Danos ao patrimônio público custam à Prefeitura de Santos cerca de R$ 500 mil por ano

Comentar
Compartilhar
04 MAR 201323h06

Muros de escolas, monumentos, postes e chuveirinhos de praia pichados, roubo de cabos de energia elétrica, assentos quebrados e lixeiras destruídas custam aos cofres da Prefeitura de Santos, cerca de R$ 500 mil por ano.

Segundo o secretário de obras e Serviços Públicos (Seosp), Antonio Carlos Gonçalves, com esse montante a Administração Municipal poderia construir uma creche para 200 crianças ou custear a iluminação pública de todo o canal 2, por exemplo, que tem orçamento previsto de R$ 120 mil.

No último dia 15, o cabeamento de energia da Avenida Mário Covas, no trecho entre o Canal 6 e Avenida Afonso Pena, foi furtado, deixando o local às escuras, segundo a Seosp. Os prejuízo foram de R$ 9 mil reais, referentes aos 2 mil metros de cabo 25 mm que foram furtados.

O infrator que destruir ou inutilizar um patrimônio público e for pego em flagrante pode ser condenado de seis meses a três anos de detenção e multa, além de ser obrigado a ressarcir os prejuízos causados. A pena é prevista no artigo 163 do Código Penal.

Denúncia

Denúncias de atos de vandalismo podem ser feitas à Ouvidoria Municipal pelo telefone 0800-112056, à Guarda Municipal pelo 3219-2305 ou à Polícia Militar pelo número 190.