Mutirão de consultas de fisioterapia atende mais de 700 pacientes

Pessoas atendidas serão encaminhadas para realização de tratamento ainda neste mês

Comentar
Compartilhar
11 FEV 2017Por Da Reportagem11h30
700 pacientes foram atendidos em cinco dias de atividadesFoto: Divulgação/PMPG

O Mutirão multidisciplinar de consultas de fisioterapia no Centro Especializado em Reabilitação (CER) Joanna Imparato atendeu mais de 700 pacientes em cinco dias de atividades. O encerramento dos trabalhos ocorreu nesta sexta-feira (10). Os atendidos já serão encaminhados para realização de tratamento na unidade, processo que terá início ainda neste mês e nos primeiros dias de março, e também para equipamentos públicos, como as Academias de Saúde.

A Secretaria de Saúde Pública (Sesap) de Praia Grande, que organizou a ação, contou com a participação do Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NASF). A iniciativa tem como meta principal agilizar os atendimentos e desta forma equacionar as demandas reprimidas do setor de Especialidades Médicas. A medida já vinha sendo adotada no Centro de Especialidades Médicas, Ambulatorial e Social (Cemas).

O corpo técnico do CER preparou um esquema especial para o período em que o mutirão foi realizado e que contou com mais de 20 profissionais. A equipe multidisciplinar foi composta por fisioterapeutas, fonoaudiólogos, assistentes sociais e psicólogos.

O número de pacientes atendidos poderia ter sido ainda maior. Das 1.500 pessoas cadastradas inicialmente pela Sesap, após contato inicial e avaliação, foram agendadas 912. Deste total, cerca de 20% não compareceram ao mutirão. Esta postura vem ocorrendo ao longo dos últimos anos. A Cidade tem sofrido com o desperdício de consultas e exames por conta do alto índice de absenteísmo.

Outro destaque do mutirão no CER é que os pacientes também serão encaminhados para equipamentos públicos como as Academias de Saúde, as unidades do Programa de Integração e Cidadania (PICs), do Centro de Apoio à Família do Educando (CAFE) e Conviver. Esses espaços oferecem gratuitamente atividades físicas e de convivência consideradas fundamentais para uma evolução no tratamento.

“Trata-se de um projeto de descentralização e matriciamento para avaliação de pacientes com dor crônica. Neste processo, a estrutura disponível no CER tem papel importante”, comentou uma das responsáveis pela Divisão de Especialidades da Sesap, Cibele Picini.

Os pacientes elogiaram a iniciativa e se mostraram motivados pela possibilidade do começo do tratamento em breve. “Estou animado pela forma com que foi realizado o atendimento. Tenho bursite e tendinite no ombro e joelhos. A unidade dispõe de estrutura de sobra para que possa fazer o tratamento que preciso”, disse o técnico em elétrica, André Luiz Andrade Muniz, residente no loteamento Parque das Américas, sediado no Bairro Samambaia.

Além da estrutura da unidade, o carinhoso atendimento dos médicos e profissionais do CER também mereceu elogios dos pacientes.

“O doutor Leandro foi muito atencioso, ‘gente fina’. O atendimento foi rápido, não demorei nada. Após o carnaval já inicio a fisioterapia. Tenho polineuropatia, doença que dá nos nervos. Estou feliz e estou com a expectativa de melhorar em pouco tempo”, contou José Carlos Rodrigues Santana, morador do Bairro Quietude e que estava acompanhado da mulher, Maria Francisca de Souza. A filha do casal, Alessandra Souza Santana Couto, deixou a unidade emocionada após o êxito em todo processo.