Mutirão contra a dengue chega ao Estuário nesta quarta-feira

O bairro se encontra em estado de alerta pela Secretaria de Saúde, devido à captura de fêmeas nas armadilhas espalhadas pela prefeitura nas últimas quatro semanas

Comentar
Compartilhar
11 AGO 2020Por Da Reportagem15h06
Em virtude da pandemia de Covid-19, as vistorias são realizadas apenas nas áreas externas das casasFoto: Divulgação/PMS

Uma equipe de 30 agentes de combate a endemias de várias partes de Santos concentrará esforços, nesta quarta-feira (12), das 9h às 17h, na eliminação de criadouros do mosquito Aedes aegypti no Estuário. O bairro se encontra em estado de alerta pela Secretaria de Saúde, devido à captura de fêmeas nas armadilhas espalhadas pela Prefeitura nas últimas quatro semanas.

A quantidade de fêmeas do Aedes aegypti capturadas pelas armadilhas em cada quadra da Cidade é dividida pelo total de armadilhas instaladas na localidade. Essa conta gera o índice médio de captura de fêmeas (Imfa), que é o indicador utilizado para medir a densidade do Aedes aegypti.

"No Estuário, quatro quadras apresentam valor superior a 1. Porém, acima de 0,6 já consideramos situação crítica. Embora o bairro tenha somente um caso de dengue registrado neste ano, vamos concentrar os esforços para diminuir o índice de infestação do mosquito e, consequentemente, o risco de transmissão das doenças", explica Ana Paula Valeiras, chefe do Departamento de Vigilância em Saúde.

Em virtude da pandemia de covid-19, as vistorias são realizadas apenas nas áreas externas das casas e nas áreas comuns dos condomínios.  Além disso, os profissionais usam máscara, luvas e álcool em gel 70%. Todos são identificados com uniforme (colete verde) e crachá.

Este será o 12º mutirão realizado pela Secretaria de Saúde neste ano. Nas ações anteriores, 596 focos com larvas de mosquito foram eliminados pelos agentes.

Casos

Em relação às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, Santos contabiliza 108 casos de dengue e 22 de chikungunya. Não há registro de zika neste ano. O último caso de febre amarela urbana no Brasil ocorreu na década de 1940.