Músico dribla crise e se apresenta em calçadão em Itanhaém

Ao som de voz e violão, Davi Sertanejo desperta emoção do público

Comentar
Compartilhar
24 JUL 2021Por Gazeta de S. Paulo07h30
Músico se apresenta quatro vezes por semana em praçaMúsico se apresenta quatro vezes por semana em praçaFoto: Nair Bueno/DL

Driblar a crise financeira e seguir fazendo o que mais gosta. É essa a intenção do músico e cantor Davidson Vidal Santos, de 28 anos, mais conhecido como Davi Sertanejo, ao se apresentar ao som de voz e violão, no calçadão da Praça Narciso de Andrade, no centro de Itanhaém.

"Decidi dar um jeito de continuar a viver da música. Apesar da pandemia, resolvi apresentar o meu trabalho no calçadão do centro de Itanhaém", revela o músico.

Ele explica que já cantava em alguns bares noturnos, há cerca de um ano e quatro meses, mas com a pandemia teve que parar. Davi também se apresenta na avenida Costa e Silva, em Praia Grande e na avenida Barão do Rio Branco, em São Vicente.

O padrinho dele já havia se apresentado na Cidade, mas ele faleceu devido à Covid-19. Como Davi mora com sua mulher e a filha de cinco anos no bairro Suarão, em Itanhaém, resolveu tentar, para ver se o público aprovava.

Em Itanhaém ele se apresenta há três meses, às segundas, quartas, quintas e sábados, no horário das 10 às 15 horas. Com a volta do funcionamento do comércio, ele pretende retomar o seu trabalho, aos poucos, e se apresentar nos bares aos finais de semana.

O seu repertório é composto por músicas nos estilos sertanejo raiz e romântico, Música Popular Brasileira (MPB), como as músicas de Zé Ramalho, Almir Sater, Zé Geraldo, Djavan, Raul Seixas, além de Amado Batista, Zezé di Camargo e Luciano, entre outros.

INSPIRAÇÃO.

A inspiração para Davi cantar e tocar começou com o exemplo de seu pai, que já era músico e cantor. Desde os 14 anos, ele aprendeu a tocar cavaquinho e violão.

"Ele me ensinava, mas não me deixava pegar no violão. Toda vez que ele saía para trabalhar eu pegava o violão escondido. Certa vez, ele e o parceiro começaram a tocar e comecei a acompanhar. Meu pai foi a minha grande inspiração", revela.

O público, segundo ele, dá um retorno bastante positivo e elogia as músicas, além de pedir para cantar algumas canções, com as de Roberto Carlos. As pessoas também se identificam com as músicas da roça, como o sertanejo raiz.

"Deu tudo certo e foi até melhor do que eu imaginava. Muitas pessoas vêm me elogiar e dizer que mudei o dia delas. A música tem um poder muito grande de emocionar e acalmar o público", destaca.

Davi pede apenas uma contribuição a quem o assiste e cada um oferece a quantia que quiser, em um chapéu deixado em frente a sua apresentação.

Também já trabalhou como designer gráfico em uma gráfica, por dois anos, e em um condomínio durante nove anos, em São Paulo.

Mas como a sua vocação sempre foi a música, mesmo com o início da pandemia, em 2020, ele decidiu que iria ganhar a vida dessa forma. Apesar de o setor cultural ter sido um dos mais afetados, Davi não se arrepende de ter arriscado e seguir com as apresentações.

PLANOS FUTUROS.

Outro instrumento que o músico aprendeu a tocar é a sanfona.

"Sou apaixonado pela sanfona e vou dar um jeito de me apresentar com a sanfona futuramente, pois já estou gravando com o violão no estúdio para acompanhar a apresentação", conta.

Davi está se organizando para gravar, em breve, um CD com 20 músicas em um projeto chamado "Davi Sertanejo nas praças", e outro que será "Bailão", com músicas ao som da sanfona. Também está confeccionando banners, bonés e camisetas para divulgar o seu trabalho.

Interessados em conhecer a trajetória do músico e cantor podem acessar as redes sociais, por meio de seu canal no Youtube e no Instagran como "Davi Sertanejo" e no Facebook como Davi Vidal.