Muito cuidado! Prefeitura de Santos alerta para a proliferação do Aedes aegypti

As chuvas de verã contribuem para a proliferação do mosquito e o calor auxilia na eclosão dos ovos, iniciando a fase larvária do inseto

Comentar
Compartilhar
23 FEV 2021Por Da Reportagem17h04
Desde o início do ano, já foram eliminados ao menos 612 focos com larvas do AedesFoto: Divulgação/PMS

As chuvas de verão, mesmo aquelas que passam rapidinho e parecem apenas molhar o chão, contribuem para a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, da zika, da chikungunya e da febre amarela urbana. Para se ter uma ideia, basta um pouquinho de água acumulada em um micro recipiente para que a fêmea adulta deposite ovos milimétricos, praticamente imperceptíveis a olho nu (medem 0,4 milímetros).

O calor auxilia na eclosão dos ovos, iniciando a fase larvária do inseto. Em cerca de uma semana, o mosquito atinge a fase adulta. A fêmea, na fase reprodutiva, necessita do sangue humano para amadurecer seus ovos. Se ela pica uma pessoa infectada com dengue, zika, chikungunya ou febre amarela, se torna um vetor. Ou seja, carrega consigo o vírus e o transmite aos demais humanos.

Por isso, a população deve continuar a fazer a sua parte, em complemento às ações que a Secretaria Municipal Saúde (SMS) já realiza ininterruptamente (veja relação abaixo). Em 2021, a Cidade contabiliza 13 casos de chikungunya e 11 casos de dengue. O último óbito por dengue em Santos foi registrado em 2015.

"O cuidado deve ser diário e a recomendação é simples: manter os ambientes secos e os locais que armazenam água, como caixas d'água, bem fechados. Piscinas devem ser tratadas com frequência. A fêmea do Aedes aegypti pode dar origem a 1,5 mil outros mosquitos, mas não realiza toda desova em um só lugar. Temos mais de 130 agentes de combate a endemias e realizamos ações praticamente diárias, mas a colaboração de todos é fundamental para vencermos esta batalha", afirma Ana Paula Valeiras, chefe do Departamento de Vigilância em Saúde.

CONHEÇA AS ESTRATÉGIAS DA PREFEITURA

Casa a casa – Programa de visitação de rotina aos imóveis do Município, ao longo do ano, com o intuito de orientar os munícipes e eliminar situações que contribuam para a proliferação do mosquito Aedes aegypti.
Mutirão – Realizado semanalmente em algum bairro da Cidade, reúne os agentes de combate de endemias responsáveis por outras localidades para uma grande varredura, com o intuito de orientar a população e eliminar situações que contribuam para a proliferação do mosquito Aedes aegypti.
Imóveis especiais e pontos estratégicos - Locais visitados mensalmente, sem falta. Estão cadastrados como imóveis especiais os locais com grande circulação de pessoas como hotéis, centros de compras e instituições de ensino. Já os pontos estratégicos são os que podem apresentar mais risco para a geração de criadouros como ferros-velhos, oficinas, borracharias, cemitérios e obras.
Nebulização – Aplicação de inseticida no entorno da residência de pessoa acometida pela chikungunya, com o objetivo de combater o mosquito já na fase adulta, quando está transmitindo a doença. Toda nebulização é precedida, dias antes, de uma visita nesses imóveis, com o objetivo de eliminar criadouros do mosquito. Assim, a eliminação dos criadouros combinada à nebulização é uma ação de bloqueio.
Armadilhas – Santos possui 481 armadilhas espalhadas por toda a Cidade, monitoradas semanalmente, sendo 39 na área do Porto, com levantamento dos dados pela Autoridade Portuária, que os repassa ao Município. As armadilhas indicam o nível de infestação de Aedes aegypti ao atrair as fêmeas, que ficam presas e morrem. O mapa de infestação é atualizado semanalmente e está disponível em https://mi2.miaedes.com.br/client/68/region/68/ondeestaoaedes/semanal/anterior. As análises dos resultados das armadilhas podem ser consideradas na decisão do bairro que receberá o próximo mutirão.
Acompanhamento epidemiológico – A Seção de Vigilância Epidemiológica recebe notificações de casos suspeitos das doenças transmitidas pelo Aedes e acompanha o desfecho de cada um deles. A notificação de casos suspeitos e/ou confirmados dessas doenças é obrigatória por parte das unidades de saúde e também são consideradas nas estratégias de enfrentamento ao inseto.
Atividades Educativas – Por meio da equipe do IEC (Informação, Educação e Comunicação) são realizadas atividades lúdicas e educativas nas escolas, palestras em empresas e instituições, pedágios em diferentes pontos da Cidade, participação em eventos, estandes temáticos e reuniões em condomínios. As ações são realizadas de forma ininterrupta e visam gerar multiplicadores sobre as formas de prevenção de doenças, inclusive as transmitidas pelo Aedes aegypti. Para solicitar as atividades, deve-se telefonar para 3257-8036 ou enviar e-mail para [email protected]