Mostra Indígena segue até domingo na Vila de São Vicente

Evento conta com apresentações culturais e artesanato confeccionados por índios da aldeia Paranapuã

Comentar
Compartilhar
27 ABR 2018Por Da Reportagem09h00
Evento conta com apresentações culturais e venda de artesanatoFoto: Divulgação/PMSV

O Parque Vila São Vicente (Praça João Pessoa S/N – Centro) ganhou, nesta quinta-feira (26), cores vibrantes e canções guarani no primeiro dia da Mostra Cultural Indígena. O evento, que segue até o domingo (29) das 14h às 18h, conta com apresentações culturais e venda de artesanato dos índios da aldeia Paranapuã, que fica no Parque Estadual Xixová-Japuí. A entrada é gratuita.

Ao som da canção Nhaderú Mirim, que faz referência a um deus menino, o coral indígena se apresentou ao som de instrumentos variados como violão, violino, chocalho e percussão. “Aprendemos a tocar violão e violino sozinhos lá na aldeia”, disse o índio Claudio Gonçalves, de 24 anos.

O cacique da aldeia de Paranapuã, Gilson Werá, de 30 anos, destacou  sua origem. “Tenho muito orgulho de ser indígena e mais orgulho ainda de ter os dois sangues: tupi e guarani”. O líder indígena também ressaltou a importância da Mostra. “É muito gratificante ver que as pessoas têm vontade de conhecer o indígena e de descobrir o que ele realmente faz dentro de uma aldeia”.

Werá falou ainda sobre a imagem que a sociedade têm dos indígenas. “As pessoas acham que vivemos em cavernas e não somos sociáveis. Eles têm medo, acham que vão levar flechadas e que somos bravos”.

Durante o evento, o cacique pintou o rosto das crianças com desenhos tradicionais indígenas e explicou as cores utilizadas. “O preto e o vermelho são marcas registradas que representam uma luta nossa. O preto é o luto dos nossos antepassados que levamos no rosto. Já o vermelho representa o sangue daqueles que já morreram”.

Aproximação

O secretário de Cultura, Fábio Lopez, destacou a importância da atividade. “Nós temos uma aldeia na Cidade e é importante aproximar a aldeia da sociedade, respeitando sempre essas diferenças. Trouxemos os indígenas até a Vila de São Vicente, que é um local que remete ao passado do Município”.

A aldeia abriga atualmente 85 indígenas e tem o artesanato como única fonte de renda. “As pessoas acham que a arte indígena é mendicância, mas é um estilo de vida”, disse Osvaldo Claudino da Rosa, chefe de Departamento da Secretaria de Cultura.

Quem for até a Mostra Indígena, além das apresentações culturais poderá comprar peças feitas artesanalmente como filtros dos sonhos, adereços de cabelo com presilhas, esculturas em madeiras, cestos de diversos tamanhos feitos de cipó, entre outros artesanatos.