Morte por febre amarela em Santos é descartada

Não foi detectada a doença no homem de 26 anos, que faleceu no dia 15 deste mês, após ficar internado na UTI do hospital Ana Costa

Comentar
Compartilhar
23 FEV 2018Por Da Reportagem18h29
Homem de 26 anos estava internado no Hospital Ana CostaHomem de 26 anos estava internado no Hospital Ana CostaFoto: Luiz Torres/Arquivo/ DL

O resultado do Instituto Adolfo Lutz (IAL) – laboratório de referência do governo estadual – descartou febre amarela no paciente de Santos, de 26 anos, que faleceu no dia 15 deste mês após ficar internado na UTI do hospital Ana Costa. Também foi descartado influenza, hantavirose, leptospirose e dengue, e o caso segue em investigação.

A Secretaria Municipal de Saúde aguarda resultados do IAL para confirmar ou descartar a doença nos três pacientes de São Vicente (17 anos, 22 anos e 35 anos) e um de Peruíbe (16 anos) que estavam internados na Santa Casa de Santos e já tiveram alta; e no homem de 36 anos (São Vicente) internado no hospital Beneficência Portuguesa desde 9 de fevereiro.

Novos casos suspeitos

A Vigilância em Saúde de Santos recebeu mais três notificações de casos suspeitos de febre amarela e as sorologias dos pacientes foram encaminhadas para análise do Instituto Adolfo Lutz.

Um deles é de um homem de 44 anos, morador do Guarujá, internado desde o dia 20 de fevereiro no HPP Central (antigo PS Central), cujos primeiros sintomas surgiram dia 15. Com quadro de síndrome de Guillain-Barré, ele está na UTI da unidade. Não era vacinado e nem tem histórico de deslocamento para fora da região.

Outro caso é de uma mulher de 31 anos, de Praia Grande, internada no Hospital Guilherme Álvaro (Estadual) desde o dia 20 de fevereiro, após transferência do Irmã Dulce onde ficou entre os dias 17 e 18. Ela está na enfermaria da unidade. Os primeiros sintomas se manifestaram no dia 1º de fevereiro, um dia após tomar a vacina contra a febre amarela.

Também o caso de uma mulher de 23 anos, residente de Santos (Rádio Clube), que foi atendida no Pronto Socorro da Zona Noroeste no dia 21 de janeiro e foi transferida no mesmo dia para a Santa Casa de Santos, onde teve alta no dia 27 do mesmo mês. Ela não era vacinada e não viajou para fora da região.