Morre Sandra Arantes do Nascimento

Filha de Pelé, ela ficou conhecida por sua luta pelo reconhecimento da paternidade

Comentar
Compartilhar
11 MAR 201322h20

A vereadora da Câmara Municipal de Santos, Sandra Regina Machado Arantes do Nascimento Felinto (PSC), 42 anos, faleceu, às 10 horas, de ontem, vítima de complicações em consequência de câncer de mama, no Hospital Beneficência Portuguesa. Ela deu entrada no hospital no domingo, às 22 horas.

Segundo o supervisor de Tratamento Intensivo da Beneficência, José Carlos Paiva Paz, Sandra chegou ao hospital em estado grave com falta de ar e foi internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). “Quando chegou ela respondeu bem aos medicamentos, mas hoje de manhã (ontem) constatamos os primeiros sinais de falência de órgãos. Houve comprometimento cardíaco, renal e pulmonar e os medicamentos não faziam mais efeito”, explicou.

Sandra lutava contra o câncer desde maio do ano passado quando foi diagnosticada a doença na mama direita. No final do ano, ela foi submetida à cirurgia para a retirada do tumor, mas a doença atingiu a mama esquerda, resultando em metástase. De acordo com o marido de Sandra, Ozeas Felinto, o diagnóstico não foi tardio e ela seguiu o tratamento à base de quimioterapia rigorosamente.

O corpo de Sandra está sendo velado no Salão Nobre Esmeraldo Tarquínio da Prefeitura de Santos e o enterro está previsto para as 9 horas,  no Cemitério Memorial Necrópole Ecumênica. Colegas, autoridades e populares prestaram a última homenagem à vereadora que conseguiu a aprovação da Lei municipal do DNA gratuito, em 2001.

Para os vereadores santistas, foi uma grande perda. “A Sandra era incapaz de criar  dificuldades para os colegas. Era democrática. Enquanto vereadora e como pessoa foi lutadora”, disse emocionado o vereador Manoel Constantino.

“Sandra tinha muita força para viver, enfrentou uma campanha agora e só se afastou duas vezes da Câmara — no final do ano passado e agora tinha tirado 15 dias de licença. Sandra era uma guerreira por sua história pessoal”, afirmou a vereador Sueli Morgado.

No velório, o Pastor Juarez Torres, foi o porta voz da família de Sandra. Ele disse que a família não se pronunciaria sobre a ausência de Pelé, uma vez que não receberam confirmação se ele viria ou não ao funeral. No entanto, a irmã de Pelé, Maria Lúcia do Nascimento, que reside em Santos e mantinha contado com Sandra compareceu ao velório, sozinha. “Não falei com meu irmão nos últimos dias, e também não estou aqui representando a família (Arantes do Nascimento). Vim porque eu era tia da Sandra”, foi enfática Maria Lúcia.

O prefeito de Santos, João Paulo Tavares Papa, decretou luto oficial de três dias. A sessão ordinária de quinta-feira também foi cancelada pelo presidente do Legislativo, Paulo Barbosa, pelo falecimento de Sandra.

Histórico

Sandra nasceu em Guarujá. Filha de Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, Sandra ficou conhecida por sua luta na Justiça pelo reconhecimento da paternidade, tendo êxito de forma litigiosa. Ela se elegeu vereadora pela primeira vez em 2000. No ano seguinte, Sandra teve aprovado projeto de lei do DNA gratuito para famílias carentes, de sua autoria. Em 2004 foi reeleita vereadora, sendo a quinta mais votada.

Sua história foi contada no livro ‘A Filha Que o Rei Não Quis’, escrito por Walter Brunelli. Por causa doença, ela interrompeu os estudos no curso de Direito, mas ainda este ano concorreu às eleições pela terceira vez como deputada estadual, porém não foi eleita. Sandra deixa o marido Ozeas Felinto e os filhos Otávio, de 8 anos, e Gabriel, de 6.

Suplente

O vereador Marinaldo Mongon (PDT), primeiro suplente no Legislativo, assumirá a cadeira que foi de Sandra Arantes do Nascimento. O presidente da Casa deve publicar entre hoje e amanhã, no Diário Oficial a extinção do mandato de Sandra, com reza o decreto-lei 201/67, em caso de morte. Pelo decreto, o suplente tem 15 dias para tomar posse do cargo.