Moraes cancela encontro com comissão de fretados

O secretário municipal de Transportes de São Paulo, Alexandre de Moraes, decidiu cancelar encontro com representantes de empresas e usuários de fretados que ocorreria ontem, às 16 horas, na sede da secretaria

Comentar
Compartilhar
29 JAN 201321h32

O encontro havia sido agendado pelo deputado estadual Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), que vem articulando mudanças nas medidas previstas na Zona Máxima de Restrição de Fretados (ZMRF), formada pelas marginais Pinheiros e Tietê e avenidas como a dos Bandeirantes, Ricardo Jafet e do Estado. 

A secretaria não informou o motivo do cancelamento do encontro. O deputado Paulo Alexandre, no entanto, está aguardando o contato do secretário Alexandre de Moraes para a definição de uma nova data para a reunião.

Em encontro realizado com o secretário no último dia 15, na Capital, ficou acertada a criação de uma comissão técnica, composta por representantes dos fretados, para discutir periodicamente os efeitos da ZRMF. Entre as propostas que seriam avaliadas na primeira reunião, marcada para ontem, estaria a criação de vias alternativas aos fretados, possibilitando a circulação dos ônibus em corredores próximos às avenidas Paulista, 23 de Maio, Berrini, Bandeirantes e Ibirapuera.

As associações também reivindicam a permissão para embarque e desembarque, nas duas mãos de direção, nas Avenidas Faria Lima, Juscelino Kubitschek e Rua Funchal.

“O que pretendemos é propor alternativas que atendam as necessidades urgentes dos usuários dos fretados. Compreendemos que as medidas visam, inicialmente, a melhoria do trânsito, mas não podemos desconsiderar os efeitos colaterais verificados a partir do momento que a restrição entrou em funcionamento.

Diante dos transtornos, é natural que muitos passageiros já tenham adotado ou pensem em adotar o transporte individual, o que será pior para todos — para o próprio trânsito do Município e, consequentemente, para o meio ambiente”, observou Paulo Alexandre, que havia encaminhado ao secretário, no início deste mês, um manifesto em defesa dos fretados, assinado pelos prefeitos, deputados e vereadores da Baixada Santista.

Por conta das restrições, muitos passageiros chegaram atrasados no trabalho nos primeiros dias de vigência da medida, que passou a valer na última segunda-feira. Na Estação Santos-Imigrantes e Barra Funda, por exemplo, as pessoas permaneceram mais de meia hora na fila para comprar bilhetes do metrô.

Houve empurra-empurra, protestos dos passageiros, congestionamentos nas áreas de embarque e desembarque, além de reclamações de moradores das imediações.

Punições

Além dos ônibus, os micro-ônibus e vans fretados também estão proibidos de circular no Centro expandido da cidade. A restrição vale de segunda a sexta-feira, das 5 às 21h. As novas regras mexem com a rotina de 44 mil pessoas que usam esse tipo de transporte.

O motorista flagrado em situação irregular terá de pagar multa de R$ 3,4 mil e pode ter o ônibus apreendido. Ele também fica sujeito a multas que variam de R$ 53,20 a R$ 85,13.

A pedido das associações, foi autorizada a circulação dos fretados na Avenida dos Bandeirantes e em trechos das Ruas Cabo Verde, Alvorada, Doutor Manoel da Rocha e Doutor Eduardo da Silva, próximas à avenida, por exemplo.

A portaria da Prefeitura estabelece pontos de embarque e desembarque para os passageiros. Eles fazem integração com o transporte público — com o Metrô, na Vila Madalena, Sumaré, Barra Funda, Parada Inglesa, Imigrantes, Conceição, Brás; com a CPTM, nas estações Morumbi, Berrini, Cidade Jardim, Hebraica/Rebouças, Pinheiros; e com estações mistas, de Metrô e trem, na Barra Funda e no Brás.