Moradores reclamam de terreno abandonado no bairro Ocian, em Praia Grande

Acúmulo de lixo, entulho e mato alto são alvo das queixas. Abandono se estende há cerca de três anos

Comentar
Compartilhar
07 FEV 2019Por Caroline Souza08h00
Local chegou a ter um muro, que foi derrubado pelo vento, e placas de madeira, que foram roubadasFoto: Nair Bueno/DL

Mato alto, acúmulo de lixo e entulho. Essa é a situação de um terreno abandonado no bairro Ocian, em Praia Grande. Moradores já registraram reclamações na Prefeitura, mas a situação ainda não foi resolvida.
O terreno, que é particular, fica na esquina entre as ruas José Jorge e Emílio de Menezes. Segundo munícipes, o abandono se estende há cerca de três anos.

“A princípio, um muro cercava o local, mas era muito frágil e uma ventania acabou derrubando”, comenta Vicente da Silva, que mora em frente ao terreno. “Depois, colocaram tapumes de madeira, mas estes foram roubados pela população. Agora, está completamente aberto e todo dia vem alguém depositar mais lixo”, completa.

Outra moradora da rua, Gisele Kotzent também reclama da falta de respeito dos munícipes que continuam, quase diariamente, deixando lixo no local. “As pessoas largam tudo ali, até bicho morto já teve. Uma vez estava um cheiro insuportável, impossível de ficar em frente de casa, quando vimos, tinha o corpo de um cachorro morto”, relata.

A própria Gisele já chegou a fazer reclamações para a Prefeitura, mas a situação ainda não se resolveu.
O acúmulo de lixo e entulho acaba levando pragas para dentro das casas. “Sempre vejo ratos e baratas. O pior é que eles entram aqui”, lamenta Bruna Novais, que trabalha em um bar em ­frente ao terreno”.

Além dos problemas relatados, Gisele também teme pela segurança, por conta do mato alto. “Se alguém se esconder ali, a gente não vai conseguir ver”.

Local já foi notificado, diz Prefeitura

Questionada, a Prefeitura de Praia Grande, por meio da Secretaria de Urbanismo (Seurb) informou que o proprietário do imóvel foi notificado para realizar os serviços de manutenção do terreno.

“O imóvel já foi notificado e o proprietário autuado. Uma nova notificação foi emitida. Há prazos estabelecidos na legislação. Se constatada a desobediência à notificação o proprietário será multado no valor de R$ 1.822,14”, esclareceu, em nota.

Quanto ao acúmulo de lixo, a Seurb alega que ‘vizinhos ao terreno aproveitam as condições de abandono para jogar detritos no local, o que não se justifica, uma vez que o local conta com coleta de lixo domiciliar, coleta seletiva, projeto Rapa Treco, além de uma unidade ecoponto’. A secretaria pede ainda a colaboração de todos para evitar este tipo de ação.

“Se observada ação ­irregular, como descarte de objetos inservíveis, restos de obras ou lixo doméstico em terrenos da Cidade, os munícipes podem denunciar por meio do telefone 162, da Ouvidoria ­Municipal”.

 

 

Colunas

Contraponto