Moradores da Vila Santa Casa reclamam falta de informações

Cohab não está respondendo as dúvidas das 133 famílias que moram no local

Comentar
Compartilhar
25 NOV 2017Por Caroline Souza10h30
Cohab não está respondendo as dúvidas das 133 famílias que moram no localFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Os moradores da Comunidade Vila Santa Casa, conhecida também como Favela Caldeirão do Diabo, estão com diversas dúvidas sobre o Conjunto Habitacional Santos T, para o qual terão que se mudar no início de 2018. A principal delas é o valor a ser pago tanto da moradia, quanto do condomínio.

O líder comunitário Elias do Carmo da Silva denuncia que o prédio está perto de ser entregue e a Cohab não está respondendo as dúvidas das 133 famílias que moram no local. “Estamos há três meses questionando a prefeitura de Santos e eles nos ignoram”, relata.

Todos os apartamentos do edifício de 19 andares terão dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço. Haverá ainda uma área de lazer, com quadra esportiva, playground, centro comunitário, brinquedoteca, quiosque, churrasqueira e salão de festas.

Pelo padrão do edifício, diferente de todos os Conjuntos Habitacionais já existentes em Santos, os moradores se preocupam com os valores da moradia e do condomínio.

De acordo com a Cohab, o valor e prazo de financiamento serão os mesmos para todos. Além disso, a prestação do apartamento será de 15% da renda familiar, ou seja, quem ganha menos terá uma prestação menor, mas todos pagarão valores proporcionais. O prazo de financiamento será de 25 anos.

O edifício está sendo construído bem em frente à comunidade. Marise Rodrigues mora em um alojamento da comunidade há 23 anos e todos os dias vê de sua casa o sonho que não sabe se irá se concretizar. Com os olhos marejados, ela afirma que “ter moradia digna é um sonho, mas ninguém sabe quanto vai pagar”.
Marise é uma das moradoras que não possui renda fixa. Atualmente, ela está com um problema de saúde que a impede de trabalhar e vive apenas com a pensão de R$ 360,00 do seu filho.

Para famílias como a dela, sem renda comprovada, a assessoria da Prefeitura informou que a CDHU adota o critério de renda presumida de um salário mínimo. Se levarmos em conta o salário mínimo atual, que é de R$ 937,00, quem não tem renda comprovada irá pagar R$ 140,55 de prestação.

“Esse prédio não era para ser feito para pessoas de baixa renda. Para gente, parece um prédio de luxo do Gonzaga. Como vamos pagar o condomínio desse local?”

Segundo com a Cohab, não há previsão sobre o valor do condomínio.

Falta de diálogo

O Santos T é uma parceria da Prefeitura, através da Cohab, com o governo do Estado, por meio da CDHU. A primeira seria responsável pela doação do terreno, projeto arquitetônico, urbanístico e executivo, além da indicação da demanda e do trabalho social de pré e pós ocupação das famílias. A segunda, pelos recursos e execução da obra.

E é também sobre o trabalho social que os moradores estão reclamando. “O prédio está quase para ser entregue e esse trabalho não foi feito. Só tivemos uma reunião em fevereiro e depois disso eles não responderam mais nossas dúvidas”, afirma Elias.

Maria José mora na Vila Santa Casa há mais de 20 anos e gosta do que consegue ver do empreendimento, mas reclama da falta de reuniões. “Eles prometeram reuniões a cada três meses, mas esse ano só tivemos uma. A gente não sabe quanto vai pagar, quem vai para lá, falta diálogo”, comenta.

Agregados

Outro questionamento dos moradores é sobre os ‘agregados’. “Eles fizeram o cadastro em 2010, mas de lá para cá as famílias aumentaram, os filhos casaram e hoje mora mais gente aqui. Muitas famílias estão nessa situação e não terá espaço para todos. Não tem condições de todos irem, alguns vão ficar”, afirma Luiza Domingos, que vive lá há 38 anos.

A assessoria informou que todas as famílias foram cadastradas, quando o projeto foi elaborado. “Os atuais agregados fazem parte da composição das famílias cadastradas naquela época. Com a transferência de todas as famílias para o novo empreendimento, a área será totalmente desocupada”, explicou a Prefeitura.
Sendo assim, a vontade de Luiza e de outras famílias que possuem agregados, de ir apenas com uma parte da família para o empreendimento, não poderá se concretizar, já que a área será desocupada.