Moradores do Estuário convivem com acúmulo de lixo em terreno

Local, na Rua Francisco Alves, está repleto de entulho, além de ratos e focos da dengue

Comentar
Compartilhar
21 MAI 201510h26

Um terreno abandonado tem causado preocupação aos moradores da Rua Francisco Alves, número 250, no bairro Estuário, em Santos. No local há muito lixo, entulho, além da presença de ratos.

Segundo denúncias dos vizinhos ao terreno, são os próprios moradores da região que despejam lixo de maneira inapropriada no espaço.

“Há uma senhora que mora ali perto e recebe doações de comida de outras pessoas. Ela come e joga todos os vasilhames e potes de sorvete vazios no terreno”, disse uma moradora que não quis se identificar.

A mesma moradora contou que o proprietário do terreno, em algumas ocasiões, vai até o local para conferir a situação do terreno, que não possui nenhum portão, além de uma parte do muro lateral ter cedido, facilitando a entrada de pessoas.

“Ele foi muito bom para o pessoal da comunidade. Tinha uma casa grande até e, quando derrubou a casa, ele doou todo o material para as pessoas daqui”, contou.
De acordo com outro morador, uma equipe da Prefeitura de Santos chegou a ir até o terreno, mas não fez nada para mudar a situação.

 Sem portão, terreno é local de despejo para vizinhança (Foto: Matheus Tagé/ DL)

Em nota enviada à redação, a Prefeitura de Santos informou que a Secretaria de Infraestrutura e Edificações já tomou as providências para o terreno localizado na Rua Francisco Alves nº 50, no Estuário. O proprietário do imóvel foi intimado em 27 de abril a executar a limpeza da área no prazo de 30 dias.

Se o serviço não for realizado no prazo determinado, ele será multado em R$ 12.813,05 e terá 5 dias para deixar o local em perfeitas condições. Quando não é atendido o último prazo, a Prefeitura realiza a limpeza e cobra o trabalho por meio da Dívida Ativa.

A Administração ressalta que, segundo a legislação municipal, é de responsabilidade do proprietário zelar pelas boas condições de seu imóvel. A Prefeitura disse ainda que age mediante denúncias que devem ser feitas na Ouvidoria Municipal, por meio do telefone 0800-112056.

Quanto aos possíveis focos de dengue e a presença de ratos no local, a Seção de Controle de Vetores informou que enviará uma equipe ao terreno para verificar a denúncia e tomar as medidas que se mostrarem cabíveis.

Falta de asfalto

Próximo ao terreno, na Rua Emídio de Souza, a reclamação é outra. Segundo os munícipes, a via sofre com a falta de asfaltamento.

Segundo os moradores a situação piora na época de chuvas, chegando a ter diversos pontos de alagamento, além da lama que se forma na rua, dificultando a passagem de veículos e a locomoção de pessoas.

Falta de asfalto tem gerado problemas para veículos e pedestres que passam pelo local (Foto: Matheus Tagé/ DL)

Em relação à Rua Emídio de Souza, a Prefeitura informou que vai estudar a possibilidade de incluir a via no mapeamento já realizado do PROVias, programa de pavimentação, para garantir segurança e infraestrutura às vias públicas do município.