Cotidiano

Moradora de Praia Grande questiona retirada de árvores

Segundo Carolina Verdugo, Prefeitura não explica se irá replantá-las em outro local da Cidade

Da Reportagem

Publicado em 04/02/2017 às 10:00

Comentar:

Compartilhe:

A assistente social fotografou a retirada das árvores e enviou para a Redação do Diário / Divulgação

A assistente social Carolina Paredes Verdugo está questionando a Prefeitura de Praia Grande sobre a não fiscalização da derrubada de quatro árvores na Avenida Castelo Branco, esquina com a Nossa Senhora de Fátima, na Vila Caiçara, para a construção de estacionamentos.

“Já foram derrubados dois chapéus de sol e duas palmeiras. Questionei os responsáveis pela obra e um fiscal na semana passada a respeito da destinação dessas árvores que tem mais de 30 anos e não apresentavam nenhuma doença ou cupim”, afirma Carolina, que ontem revelou a derrubada de mais quatro árvores.

A assistente disse que recebeu a informação que as árvores seriam replantadas e uma compensação de preservação de outra área estaria nos planos. No entanto, “entrei em contato na com Ouvidoria da Prefeitura, que tem 30 dias de prazo para dar uma resposta, e com a Secretaria de Meio Ambiente, mas acho um absurdo não reaproveitarem as árvores, replantarem, mesmo que não sejam nativas, ou em extinção”, afirma a moradora.

Carolina defende que as árvores poderiam ser recolocadas na na Via Expresso Sul, na orla da praia ou na mesma obra que terá espaço para árvores. “Mesmo que seja feita a compensação, onde ela vai ocorrer e em quanto tempo teremos árvores como as que foram derrubadas?”, indaga.  

A moradora alerta que a obra se estenderá por toda a rua e que, portanto, ainda tem as outras árvores que serão tratadas da mesma forma. “Não seria a possível diminuir uma vaga e replantar as árvores? Estou triste demais com a situação. Aguardar todo esse tempo pela resposta oficial me aflige, pois várias árvores já estão no chão”, finaliza.

Prefeitura

A Prefeitura de Praia Grande informa que a retirada das árvores e coqueiros foi necessária para a realização de obras que fazem parte do projeto de revitalização urbanística da Avenida Nossa Senhora de Fátima, em toda sua extensão, que vai da Avenida Doutor Roberto de Almeida Vinhas até a Avenida Presidente Castelo Branco (cerca de 1.200 metros), no Bairro Caiçara. Cumpre informar que o projeto contempla também a inserção de paisagismo, onde serão utilizadas gramíneas, arbustos e palmeiras imperiais.

Ressaltamos que chapéus de sol não tem sido mais utilizada em ações de paisagismo urbano em calçadas, assim, a Administração  tem buscado, ao máximo, preservar os espécimes, mas quando preciso os remove e sempre os substituem por outros, na medida em que o projeto permita.

No caso da Avenida Nossa Senhora de Fátima, além do paisagismo e arborização, a via vai ganhar canteiro central, com medidas variando de 1 m até 2 metros de largura, com vagas para estacionamento. Calçadas receberão piso intertravado de concreto e projeto de acessibilidade (rampas para cadeirantes e piso podotátil). Os trabalhos estão em andamento e devem ser finalizados ainda este ano.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Diário Mais

Entenda o que é a 'infiltração marítima', fenômeno que atinge o litoral de SP

O Climatempo indicou nesta semana que as cidades do litoral brasileiro, incluindo de SP, seriam atingidas pelo fenômeno

Variedades

Lenda do metal, Edu Falaschi se apresenta neste fim de semana em Santos

Vocalista promete cantar músicas que não são apresentadas ao vivo por ele há mais de 12 anos como "Carry On", "Nothing To Say", "Time", "Make Believe" e mais

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter