Moradia e Trabalho no Tupiry

As primeiras casas do Conjunto Residencial Tupiry foram entregues ontem, pelo prefeito de Praia Grande Alberto Mourão

Comentar
Compartilhar
27 FEV 201321h24

A primeira fase do Conjunto Residencial Tupiry, em Praia Grande, foi concluída oficialmente ontem, com a entrega simbólica das chaves pelo prefeito Alberto Mourão para 14 famílias que já se mudaram. Até o final do ano serão entregues todas as 64 casas do conjunto às famílias cadastradas no programa que atualmente moram no abrigo provisório erguido no local.

Segundo Mourão, o projeto, além das moradias, inclui ainda a urbanização e pavimentação da Rua Ariovaldo Augusto de Oliveira, instalação de redes de água, esgoto e energia elétrica, e um galpão que abrigará uma cooperativa para a comunidade. Cada residência tem 28,45 metros quadrados com sala, cozinha, banheiro, um dormitório e área de serviço.

O empreendimento voltado à população que tem renda familiar em torno de um salário mínimo (R$ 380), deve ser concluído até o dia 15 de dezembro. O projeto habitacional está orçado em R$ 1,9 milhão. “A Prefeitura vai custear cerca de R$ 1,4 milhão a fundo perdido e a Caixa Econômica Federal, R$ 540 mil”, declarou Mourão.

Cada residência custa R$ 18.300 e a Prefeitura subsidiará 50% desse valor. “Esse é o primeiro conjunto voltado para as famílias com renda de até um salário mínimo que pagarão somente R$ 9 mil, com prestações em torno de R$ 40”, disse o prefeito.

“Estamos muito felizes porque é uma melhoria muito grande, principalmente para as crianças, e também porque nossa reivindicação da cooperativa foi atendida”, afirmou a coordenadora comunitária que representa as famílias do abrigo provisório, Elizângela de Souza Rios. “Toda a comunidade vai poder trabalhar na cooperativa e ganhar um dinheirinho. Tem muita gente aqui desempregada, vivendo de bico e catando papelão”.

O prefeito explicou que a cooperativa tem por objetivo gerar renda para essa comunidade carente do Município que poderá produzir artesanatos, como sandálias rasteiras, para vender na orla da praia na temporada, principalmente.

O pedreiro, Marinaldo Gonçalves de Aguiar, hoje desempregado, fazia a mudança para sua primeira casa própria. “Eu tenho 54 anos e essa será a minha primeira casa própria. Além de ter o meu lugarzinho e da minha família, ainda vou ter trabalho na cooperativa. Isso é muito bom”, afirmou Marinaldo que é casado e pai de três filhos.

A segunda fase das obras começará na segunda-feira com a demolição dos abrigos na quadra ao lado para a construção de mais uma etapa do conjunto. O conjunto residencial da Rua Ariovaldo Augusto de Oliveira, no Tupiry, é parte do programa de habitação da Prefeitura voltado para famílias de baixa renda e que moram em áreas de risco.

Desabrigados

Um casal que reside no alojamento nº 404 que será demolido a partir da semana que vem afirmou que não tem para onde ir.  A dona de casa Donata Aparecida Fernandes e seu marido Arildo Gonçalves Silvana, atualmente desempregado, alegam que se cadastraram no conjunto Tupiry há dois anos, mas não estão incluídos na lista das 64 famílias. “Temos quatro filhos e nos cadastramos. Nossa casa será demolida e não sabemos o que fazer”.

A Prefeitura informou, por meio da assessoria de imprensa que “A Secretaria de Urbanismo, Habitação e Meio Ambiente informa que a moradora citada invadiu o local, sem permissão, há dois anos, e desde então vem sendo notificada a deixar o local. Com o início da segunda fase, as casas serão demolidas e por isso essa família deve deixar o local”.