Cotidiano

Monitoras são demitidas e buscam reintegração no Serfis

Elas revelam tratamento prejudicado e alegam que Prefeitura estaria agindo contra leis trabalhistas

Da Reportagem

Publicado em 14/03/2017 às 10:30

Comentar:

Compartilhe:

As monitoras Ângela Dias Fortes e Patrícia Emídio Pedroso, junto com a advogada Patrícia Maria Soares de Oliveira, revelaram a situação que ocorre no Serfis / Rodrigo Montaldi/DL

Em meio a uma greve do funcionalismo público de Santos por reajuste salarial, uma situação chega a ser inusitada. Três monitoras de ofício, há anos trabalhando no Serviço de Fisioterapia (Serfis) da Prefeitura (Avenida Conselheiro Nébias, 267) por intermédio de renovações contínuas da Lei 650 e que foram dispensadas recentemente, não estão buscando melhor remuneração, mas reintegração ao trabalho via judicial.

Enquanto uma decisão não ocorre, 40 pacientes (deficientes adultos) estão com tratamento prejudicado e as funcionárias estão recebendo sem trabalhar desde 3 de fevereiro último. A Prefeitura nega a falta de atendimento.

“Elas (funcionárias) foram demitidas verbalmente. Entramos com um pedido administrativo para a retomada do emprego e até agora nada. Elas estavam há seis anos trabalhando (a lei só permite contrato de um ano renovável por mais um). Nunca foi feito concurso para a função que elas exercem”, afirma a advogada Patrícia Maria Soares de Oliveira, acompanhada pelas funcionárias Ângela Dias Fortes e Patrícia Emídio Pedroso. Elas estiveram na redação do Diário do Litoral.

Segundo contam, o tratamento via terapia ocupacional existe no município há 27 anos. Ele foi implantado pelo ex-prefeito Davi Capistrano (falecido). É para tratamento de pessoas que tiveram acidente vascular cerebral (AVC) e cujo tratamento via Sistema Único de Saúde (SUS) já foi encerrado.

“Eles lixam madeira, fazem pinturas, encadernações, artesanato e outras atividades, que acabam melhorando a saúde e, ao mesmo tempo, proporcionam sobrevivência”, explica Ângela Fortes.

Conforme revelam as monitoras, o tratamento é parte do Programa de Habilitação e Reabilitação do Deficiente, que é autossustentável e que vem trazendo uma série de benefícios. “O trabalho deles é vendido nas feiras de solidariedade promovidas pelo município e o dinheiro arrecadado é transformado em matéria-prima para um novo trabalho”, afirmam as funcionárias.       

Trabalhistas

Segundo a advogada, a dispensa das funcionárias sem qualquer aviso ou rescisão oficial está completamente irregular.

“Está sendo descontada a Previdência sem um contrato de trabalho, visto que durante esse tempo nunca houve uma renovação formal. O contrato passou a valer por tempo indeterminado e, neste sentido, elas têm direitos trabalhistas, como aviso prévio, fundo de garantia, seguro-desemprego e outros. Elas estão numa espécie de licença remunerada”, afirma a advogada, que tem medo que a Prefeitura alegue abandono de emprego. Ela completa alertando que o caso chegou à Câmara de Santos e nada foi feito até o momento.

Prefeitura

A Prefeitura de Santos não se manifestou sobre a questão trabalhista. Porém, por intermédio da Secretaria de Saúde, esclarece que em nenhum momento o atendimento aos pacientes foi prejudicado com a não renovação do contrato dos monitores de ofício. “As atividades complementares ao tratamento continuam sendo realizadas normalmente pelos terapeutas ocupacionais da unidade”, garantiu em nota.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos

Litoral de SP recebe local para consultas médicas a preços acessíveis; veja o local

Unidade oferecerá uma gama de especialidades, incluindo clínica geral

Diário Mais

Quer aquecer? Restaurantes do litoral de SP oferecem variedades de fondue; confira

Prato pode ser encontrado nas versões doce e salgada, com vários acompanhamentos

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter