Ministro diz que futuro do Egito está “em perigo”

Para Abdel Fattah Al Sissi disse que se as forças políticas não encontrarem uma solução para a crise, "o futuro do país está em perigo"

Comentar
Compartilhar
29 JAN 201314h12

O ministro da Defesa do Egito, Abdel Fattah Al Sissi, disse hoje (29) que se as forças políticas não encontrarem uma solução para a crise, “a segurança, a estabilidade e o futuro do país estarão em perigo”. A declaração de Al Sissi foi a primeira desde o início da nova série de violência no Egito. Há dois anos, com a revolução que levou à queda do regime do ex-presidente Hosni Mubarak (no comando por quase três décadas), o país enfrenta um cenário de manifestações e protestos populares violentos. Os confrontos entre manifestantes e a polícia ocorrem principalmente na região do Canal de Suez, no Nordeste do país.

Segundo agências públicas de notícia, desde o último dia 25, a série de atos violentos matou mais de 40 pessoas e deixou centenas de feridos. De acordo com a Rádio França Internacional, na noite desta segunda-feira (28), três jovens morreram em Port Said, uma das províncias onde foram decretados estado de emergência e toque de recolher.

O decreto do presidente Mursi foi uma tentativa do governo para conter a violência, agravada desde o anúncio da pena de morte aplicada a um grupo de 21 torcedores de um time de futebol local. Parentes e amigos dos torcedores condenados tentaram invadir a prisão onde eles estão detidos e houve confrontos com policiais.

Centenas de manifestantes mantiveram os protestos nas cidades egípcias de Port Said, Ismailia e Suez, desafiando o toque de recolher instituído pelo presidente Mouhamed Mursi (Foto: Agência Lusa/ ABr)