Mesmo com chuva, nível do Cantareira não sobe

Nesta quinta-feira, 5, o reservatório continha 11,7% de água de sua capacidade total, o mesmo patamar registrado nos últimos três dias

Comentar
Compartilhar
05 MAR 201512h43

Mesmo com a chuva que caiu sobre o manancial, o nível do Sistema Cantareira manteve-se estável pelo terceiro dia seguido. É o que revelam dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Nesta quinta-feira, 5, o reservatório continha 11,7% de água de sua capacidade total, o mesmo patamar registrado nos últimos três dias.

O acúmulo de chuva foi de 1,6 milímetro desde quarta-feira, 4, um patamar mais alto do que no dia anterior, quando nenhuma precipitação pluviométrica foi registrada na região.

Dos outros cinco sistemas hídricos que abastecem a Grande São Paulo, o Alto Cotia teve queda na reserva de água, passando de 40,8% na quarta-feira, 4, para 40,7%. A variação negativa ocorreu apesar dos 4,6 mm de chuva registrados no manancial.

O nível do Sistema Cantareira manteve-se estável pelo terceiro dia seguido (Foto: Sabesp)

Nos demais reservatórios, assim como no Cantareira, os patamares de reservação se mantiveram estáveis na comparação com os índices de quarta-feira. O que está em melhores condições é o Sistema Rio Grande, com 85,4% de água armazenada. Ali, houve precipitação acumulada de 0,2 mm.

Em seguida, vem o Guarapiranga, com 63% da sua capacidade. O Rio Claro, por sua vez, conta com 38,5%, e o Alto Tietê, com 18,9%. Nesses três mananciais, a Sabesp não observou chuva de um dia para o outro.

Embora a situação de alguns sistemas tenha melhorado um pouco nos últimos dias, em decorrência principalmente das chuvas de fevereiro, o abastecimento de água em São Paulo ainda está crítico. Diversos moradores da Região Metropolitana ainda sofrem com escassez hídrica em suas casas em várias horas do dia e da noite. A recomendação é para o uso racional da água, sem desperdícios.