Merenda escolar de Cubatão pode ser suspensa

O contrato emergencial com a Cheff Grill – empresa que substituiu a Companhia Cubatense de Urbanização e Saneamento no preparo e fornecimento da comida – termina nesta sexta

Comentar
Compartilhar
25 ABR 2018Por Carlos Ratton08h00
O contrato com a Cheff Grill foi firmado em maio do ano passadoFoto: Divulgação/MEC

O fornecimento de merenda para milhares de alunos da rede municipal de ensino de Cubatão pode estar comprometido. O contrato emergencial (sem licitação) com a Cheff Grill – empresa que substituiu a Companhia Cubatense de Urbanização e Saneamento (Cursan) no preparo e fornecimento da comida – termina nesta sexta-feira (27).

Segundo obtido pela Reportagem, as funcionárias têm até segunda-feira (30) para entregar os uniformes.     

O contrato com a Cheff Grill foi firmado em maio do ano passado por seis meses pelo valor de R$ 8.855.394,00. A empresa também é responsável pela limpeza nas unidades de educação do Município.

O Diário do Litoral tentou, desde às 13 horas (horário de almoço), uma posição da Prefeitura de Cubatão sobre qual a alegação da falta de abertura de licitação após quase um ano e meio de governo. Também questionou qual a empresa que irá substituir a Cheff Grill, que já era contratada emergencialmente, quantas merendas são oferecidas diariamente no Município e outros.

Não estava

Na tarde de ontem, a Assessoria de Imprensa da Prefeitura informou que devido a compromissos externos, do secretário Pedro de Sá não foi encontrado e que só conseguiria a resposta para hoje. A Assessoria não informou se o prefeito Ademário Oliveira (PSDB) estava no Município e poderia responder os questionamentos.

Peruíbe

Vale lembrar que em 2016, 150 merendeiras contratadas pela Cheff Grill paralisaram os serviços, no dia 2 de agosto, em Peruíbe (onde também possui contrato), devido ao atraso no pagamento de salários e férias.

Também foi detectado um estudo da Comissão Pró-Índio, entidade que atua junto às comunidades indígenas de Peruíbe, que revela divergências entre o cardápio oficial e o oferecido nas escolas, além de detalhes dos valores nutricionais da merenda, que não atendiam as diretrizes do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).