Medida provisória libera R$ 4 bi em empréstimos para Santas Casas do país

Os recursos virão do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e serão liberados por três instituições financeiras públicas: Banco do Brasil, Caixa e BNDES

Comentar
Compartilhar
16 AGO 2018Por Folhapress17h19
O presidente Michel Temer assinou nesta quinta-feira (16) uma medida provisória que vai liberar cerca de R$ 4 bilhões em linha de crédito para as Santas Casas de todo o paísO presidente Michel Temer assinou nesta quinta-feira (16) uma medida provisória que vai liberar cerca de R$ 4 bilhões em linha de crédito para as Santas Casas de todo o paísFoto: Rodrigo Montaldi/DL

O presidente Michel Temer assinou nesta quinta-feira (16) uma medida provisória que vai liberar cerca de R$ 4 bilhões em linha de crédito para as Santas Casas de todo o país.

Os recursos virão do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e serão liberados por três instituições financeiras públicas: Banco do Brasil, Caixa e BNDES.

De acordo com o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, o texto assinado nesta quinta por Temer libera 5% do FGTS para as instituições de saúde. Com orçamento de R$ 83 bilhões previsto para este ano, a estimativa é de que esses recursos fiquem em torno de R$ 4 bilhões. 

Occhi explica que, para que o dinheiro chegue às Santas Casas é preciso uma aprovação do Conselho Curador do FGTS, cuja reunião deve ser convocada pelo ministro do Trabalho, Caio Vieira de Mello. O ministro estima que, após o encontro, o financiamento deve ser liberado em até 30 dias. 

As instituições terão um prazo de dez anos para pagamento do empréstimo, que será concedido a uma taxa de juros em torno de 8,66% ao ano. Segundo Occhi, esse é um patamar que representa quase a metade das taxas cobradas pelos bancos privados atualmente, de 17% a 18% ao ano.

O dinheiro tomado poderá ser aplicado para diversas atividades como custeio, pagamento de fornecedores, investimentos, aquisição de equipamentos e também para abatimento e renegociação de dívidas.

Occhi afirma que esse modelo tem baixa taxa de calote já que o empréstimo pode ser consignado em até 35% dos recursos passados pelo Ministério da Saúde às Santas Casas.

O governo paga às instituições, por meio do Fundo Nacional de Saúde, pelo atendimento feito a brasileiros por meio do SUS (Sistema Único de Saúde). 

Na cerimônia, Temer exaltou as Santas Casas dizendo que elas são aliadas indispensáveis do SUS