Marítimos protestam contra TWB na travessia de balsas

A manifestação prosseguiu por duas horas e deverá ser retomada hoje pela manhã, das 7 às 8 horas

Comentar
Compartilhar
27 FEV 201322h41

Marítimos, com o apoio da Central Única dos Trabalhadores (CUT), protestaram ontem, na travessia de balsas Santos-Guarujá, do lado de Guarujá, contra os baixos salários, falta de segurança e sucateamento das embarcações. A partir das 17h30, os manifestantes distribuíram panfletos aos usuários, paralisando a fila a cada cinco minutos, o que congestionou o trânsito, na Avenida Adhemar de Barros.

A manifestação prosseguiu por duas horas e deverá ser retomada hoje pela manhã, das 7 às 8 horas. A Polícia Militar acompanhou o protesto pacífico até a dispersão dos manifestantes que usavam nariz palhaço, portavam uma faixa e utilizavam um carro de som.

Liderados pelos coordenadores regionais da CUT, Djalma Sutero da Silva (Sindilimpeza) e Francisco Nogueira (Settaport), os trabalhadores distribuíram panfletos aos usuários informando sobre “a redução de até 70% dos salários dos trabalhadores contratados pela TWB — marinheiro de convés passou a receber R$ 385 (a partir de abril)contra R$ 1.173 —, o péssimo estado de conservação das balsas e das barcas de passageiros, as precárias condições de trabalho que põem em risco os trabalhadores e os usuários nas embarcações e o aumento da carga horária de 6 para 8 horas”.

De acordo com Nogueira, “o intuito do movimento não é parar a travessia e sim orientar os usuários sobre as irregularidades nas embarcações que trazem risco aos usuários e a precarização das condições de trabalho”.

Djalma disse que hoje a coordenação regional da CUT se reunirá com a comissão de trabalhadores afim de elaborar a proposta de acordo a ser negociada com a empresa. “Vamos pedir uma reunião com o Reinaldo (Reinaldo dos Santos Pinto — sócio majoritário da TWB) para as negociações. Se a proposta dos trabalhadores for recusada manteremos as paralisações”.

Nogueira disse que em caso de recusa da TWB, “as reivindicações serão comunicadas à Dersa e ao governador José Serra para que tomem conhecimento das irregularidades que acontecem aqui”.

A categoria pretende realizar outra panfletagem no final da tarde, no Ferry Boat, em Santos, o que deverá provocar nova lentidão na travessia de balsas para o Guarujá. A empresa TWB deve ser declarada oficialmente ainda hoje vencedora da licitação para a operação da travessia de balsas. A empresa atua desde abril sob contrato emergencial firmado com a Dersa. O novo contrato de concessão terá vigência de um ano, podendo ser aditado, se a empresa quiser.