Marinho discute porto e previdência dos inativos na Região

Em visita à Baixada, ministro afirma que é a favor da ampliação de retroporto no ABC paulista e se compromete a dar holerite a aposentados

Comentar
Compartilhar
25 FEV 201322h33

O ministro da Previdência Social, Luiz Marinho, em visita à Baixada Santista, defendeu na sede Codesp, ontem à tarde, que é preciso ampliar as áreas de retroporto no ABC paulista, para facilitar a atividade de comércio exterior. Embora tenha declarado que a visita ao presidente da Codesp, José Carlos Melo Rego, fosse informal, eles se reuniram à portas fechadas no auditório da estatal para discutir a criação de um entreposto, em São Bernardo do Campo, que será administrado pela Codesp. Participaram ainda da reunião, o diretor comercial e de Desenvolvimento da Codesp, Fabrizio Pierdomenico e o secretário municipal de Assuntos Portuários de Santos, Sérgio Aquino.

“Nós temos hoje um porto seco em Santo André, em São Bernardo que é a cidade onde moro, mas ainda é insuficiente para atender a demanda. São Bernardo é uma cidade estratégica no sentido de colaborar com o bom funcionamento do porto, objetivando ganho de escala e ganho de custos para facilitar o papel de importação e exportação que a nossa economia tem demandado crescentemente”, afirmou.

“Temos que realizar estudos técnicos, analisar aspectos ambientais e comerciais. São Bernardo oferece uma excelente localização do ponto de vista logístico para o porto. A nossa idéia é agilizarmos o processo porque para o porto é de fundamental importância ter o apoio dos retroportuários. É  preciso facilitar o desembaraço da carga do ponto de vista logístico”, disse Melo Rego.

A construção do entreposto vai depender também da aprovação de legislação de regulamenta os portos secos, em tramitação no Senado. Aquino perguntou ao ministro sobre a possibilidade da concessão de aposentadoria especial para os portuários. Marinho respondeu que se reuniu recentemente com entidades representativas e o Ministério do Trabalho, quando ficou decidido que será feito um cadastro de todos os portuários d país, afim de estudar o assunto. “O contingente de portuários continuou crescendo ao longo dos anos, então o que precisa agora é dar atendimento a esses trabalhadores de maior idade que se envolviam mais com a carga, mesmo que isso seja adotado por um período de transição, considerando aquele contingente que atuou mais fisicamente no passado, isso seria uma grande ajuda em termos de equacionamento social e de custos dos portos”.

Em Praia Grande, o ministro participou logo no início da manhã, de encontro promovido pela Federação dos Aposentados e Pensionistas do Estado de São Paulo, onde se comprometeu a conceder holerites aos inativos, atendendo a reivindicação da categoria. “Eu assumi o compromisso de restabelecer esse processo com os aposentados”.