Banner gripe

Manutenção em cemitérios municipais segue adiantada para Dia das Mães

No Areia Branca, a maior das três necrópoles (48 mil m²), o cruzeiro das almas, um dos pontos mais procurados, está sendo restaurado para voltar a receber velas acesas

Comentar
Compartilhar
03 MAI 2019Por Da Reportagem00h30
Os trabalhos são feitos por 70 funcionários da Secretaria de Serviços PúblicosFoto: Divulgação/PMS

Até a próxima quarta-feira (8), os serviços de manutenção nos três cemitérios municipais da Cidade, Areia Branca, Filosofia e Paquetá, estarão concluídos. Iniciados na semana passada, os trabalhos são feitos por 70 funcionários da Secretaria de Serviços Públicos, visando preparar os locais para receber aproximadamente 10 mil visitantes pelas homenagens ao Dia das Mães, comemorado dia 12.

No Areia Branca, a maior das três necrópoles (48 mil m²), o cruzeiro das almas, um dos pontos mais procurados, está sendo restaurado para voltar a receber velas acesas. A cal que cobria o crucifixo foi totalmente raspada e agora o monumento está com as rochas originais aparentes.

Nesta quinta (2), também foi cortada a grama de áreas descampadas e capinado o mato sobre jazigos. Quem vai ao local já percebe a pintura das guias e da fachada do muro finalizadas.

No Cemitério da Filosofia (Saboó) também é feita a raspagem de mato junto aos muros e a jardinagem. Ali seguem as manutenções de pintura das guias e, na próxima semana, haverá capinação em cima dos jazigos e da alameda central. A pintura do muro foi iniciada nesta quinta (2), no Filosofia e no Paquetá, onde também é feita a caiação de todas as alamedas e capinação das quadras. Nos três cemitérios foram concluídos reparos na iluminação, revisão estruturais dos jazigos e poda das árvores.

Todos estes trabalhos fazem parte da rotina diária de serviços das equipes, que recebe reforço de profissionais das subprefeituras da Zona Noroeste e da Região Central Histórica nestes períodos que antecedem datas comemorativas.

Cuidados

O público deve retirar as embalagens dos vasos de flores levados aos túmulos a fim de evitar o acúmulo de água e combater o mosquito Aedes aegypti, que transmite a dengue.

Colunas

Contraponto