SEDUC

Mais um operário ferido em acidente com navio-plataforma deixa o hospital

Plataforma do tipo FPSO, o Cidade de São Mateus teve uma explosão no último dia 11, no litoral do Espírito Santo, quando morreram seis pessoas, três continuam desaparecidas

Comentar
Compartilhar
20 FEV 201518h10

Mais um funcionário do navio-plataforma Cidade de São Mateus teve alta hoje (20) do hospital, informou a assessoria de imprensa da BW Offshore, empresa norueguesa que opera a unidade afretada pela Petrobras por meio da  PPB do Brasil Serviços Marítimos, pertencente ao Grupo BW. Informou também que dos 26 feridos, três operários permanecem hospitalizados.

Plataforma do tipo FPSO - que produz, armazena e transfere óleo e gás -, o Cidade de São Mateus teve uma explosão no último dia 11, no litoral do Espírito Santo, quando morreram seis pessoas, três continuam desaparecidas.

Segundo a assessoria da BW, já foi concluída a instalação de tampas nas caixas de mar, que armazenam água para garantir o equilíbrio do navio. Com a explosão, ocorreram rombos nas caixas de mar e a água vazou para um compartimento conhecido como casa de bombas, que está sendo preparada para dar início à drenagem da água. O trabalho visa a garantir que a busca pelos desaparecidos ocorra de forma mais segura.

A empresa salientou que todo o processo de busca dos desaparecidos vem sendo acompanhado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Corpo de Bombeiros do Estado do Espírito Santo pela Polícia Federal.

Ontem (19), representantes da  BW Offshore se reuniram com o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Espírito Santo (Crea-ES). A companhia foi multada em R$ 5.366,16 pelo fato de não estar registrada na entidade, apesar de ter registro no Crea-RJ, onde funciona a sede da empresa. Foi a multa mais alta aplicada pelo conselho.

Mais um funcionário do navio-plataforma Cidade de São Mateus teve alta hoje (Foto: Divulgação)

A BW terá que enviar ao Crea-ES uma listagem do corpo técnico que estava operando no navio-plataforma no dia do acidente. Qualquer profissional de engenharia, agronomia e demais profissões fiscalizadas pelo Crea necessita ter visto do conselho onde opera, disse hoje (20) o gerente de Fiscalização do Crea-ES, engenheiro agrônomo José Adilson de Oliveira. A empresa terá de responder pela  regularização dos funcionários na entidade, e a BW já se comprometeu a pagar a multa e providenciar o registro de todos os responsáveis técnicos de sua equipe no navio-plataforma, informou o gerente.

Oliveira disse que o Crea-ES começou a se preocupar com as empresas offshore (que atuam em alto mar) em 2011, e desde 2013 tenta firmar convênio com outros órgãos com “poder de polícia mais efetivo”, como o Ministério do Trabalho e Emprego. “Nós gostaríamos de ter a ajuda deles para poder chegar, por exemplo, a profissionais estrangeiros”, disse ele, e acrescentou que o conselho não tem nada contra estrangeiros atuarem no Brasil, “desde que em situação regular".