X
Cotidiano

Mais de 300 presos na Baixada Santista irão fazer o Enem nesta terça e quarta-feira, dias 12 e 13

No Estado de São Paulo, cerca de 33 mil presos farão Enem e Encceja para pessoas privadas de liberdade

326 reeducandos da Baixada Santista farão o Exame Nacional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdad / Divulgação/SAP

O mês de dezembro marca, além do final do ano, a possibilidade de uma virada por meio da educação para pessoas presas: nos dias 12 e 13 de dezembro, 326 reeducandos da Baixada Santista farão o Exame Nacional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdade (Enem PPL); já nos dias 19 e 20, é a vez de 422 reeducandos prestarem o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja).

Em todo o Estado de São Paulo, 33.006 presos se inscreveram para fazer as provas: foram 10.976 para o Enem PPL e 22.030, para o Encceja.

Tanto o Enem PPL quanto o Encceja são realizados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). É exigido o mesmo conteúdo do exame feito para as pessoas que estão em liberdade. A diferença é o local da aplicação da prova, que neste caso é realizada nas unidades prisionais e socioeducativas indicadas pelos respectivos órgãos de administração prisional de cada unidade federativa do Brasil.

Diferentemente de anos anteriores, a partir de 2017 o Enem não pode ser mais utilizado como certificação de conclusão do Ensino Médio.  Esse papel voltou a ser exercido pelo Encceja, que prevê a certificação no nível de conclusão do Ensino Fundamental e Ensino Médio. Nos presídios administrados pela Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), 11.037 presos farão as provas do Encceja para certificação do Ensino Fundamental e 10.993, para certificação do Ensino Médio.

Na Baixada Santista, 230 presos farão o Encceja para a certificação de Ensino Fundamental e 192, para a certificação de Ensino Médio.

Para a preparação deste ano, a maioria das unidades prisionais participantes tem grupos de estudo coordenados por monitores da Fundação “Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel” (Funap) e por professores das escolas vinculadas – desde 2013 o ensino nos presídios é oferecido por professores da rede pública, por meio de parceria com a Secretaria de Estado da Educação. Atualmente, mais de 35 mil presos estudam entre o ensino formal e não formal (cursos profissionalizantes, extracurriculares, atividades complementares) em todo o Estado.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Esportes

Atlético-MG conquista o Campeonato Brasileiro após 50 anos

Galo vira em 5 minutos e garante o bicampeonato da competição

Saúde

Anvisa aguarda dados da Pfizer sobre variante delta para decidir sobre vacina para crianças

Ministério da Saúde prevê, no plano de vacinação do próximo ano, imunizar 70 milhões de crianças, o que depende de aprovação da agência

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software