Mais de 23 mil pessoas já foram vacinadas contra a gripe em Santos

A imunização realizada em 28 postos de saúde será retomada na quarta-feira (2), após o feriado prolongado do Dia do Trabalho

Comentar
Compartilhar
27 ABR 2018Por Da Reportagem20h00
23.238 pessoas já foram vacinadas em Santos23.238 pessoas já foram vacinadas em SantosFoto: Divulgação/PMS

Em apenas cinco dias de campanha contra a Influenza (gripe), 23.238 pessoas já foram vacinadas em Santos, uma média de 4.600 por dia, sendo a maioria delas de idosos (15.260). A imunização realizada em 28 postos de saúde será retomada na quarta-feira (2), após o feriado prolongado do Dia do Trabalho.

A dona de casa Beatriz Augusto da Silva, 23 anos, levou a filha Pietra, de quatro anos, para se vacinar nesta sexta (27) na Policlínica da Vila Mathias. “Ela tomou a vacina no ano passado e não teve nenhuma gripe”.

Outra munícipe que integra os grupos prioritários para a vacinação, a aposentada Judite Gomes da Costa, 70 anos, também buscou proteção na mesma unidade. “Tomo (a vacina) todo ano. Mesmo quando pego gripe ela vem mais fraca”.

A campanha prossegue até 1º de junho de segunda a sexta, das 9h às 16h, e também está programado um Dia D em 12 de maio (sábado). A vacina protege contra os vírus A (H1N1), A (H3N2) e B (Yamagata) e é voltada para crianças de 6 meses a menores de 5 anos (4 anos, 11 meses e 29 dias), trabalhadores da Saúde (serviços públicos e particulares), gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto) e idosos (mais de 60 anos).

Também para povos indígenas, professores, doentes crônicos e outras condições especiais (como hipertensos e diabéticos), adolescentes e jovens em medidas socioeducativas (Fundação Casa – 12 a 21 anos), presos e funcionários do sistema prisional. Já pessoas alérgicas a ovo e crianças menores de 6 meses de idade têm contraindicação e não podem tomar a vacina.

Para se vacinar é preciso apresentar documento de identificação com foto (RG ou CNH, por exemplo) ou certidão de nascimento (no caso de crianças), além de crachá ou documento de identificação profissional (trabalhadores da saúde e sistema prisional e professores) e declaração ou receita médica dos últimos três meses para comprovar a doença crônica ou condição especial. Se tiver, é recomendado levar carteira de vacinação e Cartão SUS.

Acamados

Os pacientes acamados ou com restrição de mobilidade podem ser vacinados em domicílio. Aqueles já acompanhados pela Seção de Atenção Domiciliar (Seadomi) e unidades de Saúde da Família não precisam se inscrever. Já nos demais casos, um familiar ou representante legal deverá comparecer a uma das 31 policlínicas da Atenção Básica de segunda a sexta, das 9h às 16h, a partir de segunda (23) até 10 de maio.

No ato é preciso apresentar cópias do documento de identificação do paciente (RG ou CNH, por exemplo) e do comprovante de residência, além de assinar declaração de que o paciente tem limitações e necessita da vacinação em domicílio.