X

'EXAME POR BAIXO DA ROUPA'

Mãe denuncia médico por violência sexual no Hospital Beneficência Portuguesa, em SP

Suposta vítima tem 16 anos; SSP informou que o caso foi registrado como violação sexual mediante fraude e instaurou inquérito policial para investigar o caso

Joe Silva

Publicado em 25/01/2023 às 11:42

Atualizado em 25/01/2023 às 11:44

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O crime de violação sexual mediante fraude ocorre quando a vítima é induzida ao erro, por acreditar que determinada conduta é necessária / Reprodução

Um médico do Hospital Beneficência Portuguesa, no centro de São Paulo, foi denunciado por uma mãe por violação sexual mediante fraude contra a filha de 16 anos durante a realização de um exame na última segunda-feira (23). Segundo o portal g1, este crime ocorre quando a vítima é induzida ao erro, por acreditar que determinada conduta é necessária. 

No depoimento e no boletim de ocorrência, a jovem contou que o suspeito pediu que ela se deitasse na maca e afirmou que nunca tinha sido examinada daquela forma por um médico clínico. 

Após a denúncia, o hospital decidiu suspender temporariamente o médico do pronto-socorro, "até que as investigações sejam concluídas" (leia abaixo a íntegra da nota).

"Ele ficou de frente, na altura da minha cintura, abriu minha calça sem a minha permissão e dobrou minha calça para dentro, abaixando-a. Quando ele foi ouvir meus batimentos cardíacos, começou a passar a mão e, ao mesmo tempo, ouvir o meu coração. Me senti muito incomodada e com vergonha. Nesse meio tempo, minha mãe já havia levantado para verificar o que estava acontecendo”, disse a jovem. 

“Em nenhum momento ele se defendeu, muito menos pediu desculpas a mim. Me senti um lixo, nunca passei por uma situação dessas e nunca imaginaria que seria em um hospital”, afirmou. 

A mãe da suposta vítima relata que a filha foi encaminhada ao hospital para a realização de exames laboratoriais pois estava sendo acompanhada medicamente por um neurocirurgião. 

“Na qual me deparo com o médico fazendo exame clínico e minha filha com sua calça aberta e abaixada até a altura do púbis”, contou a mulher à polícia. 

"Ele fez o exame do estetoscópio por baixo de sua roupa, sendo que ela já havia feito esse procedimento na triagem. Quando questionei, o médico não me respondeu e ficou de cabeça baixa. Saí da sala e chamei um responsável por ele. O supervisor dos médicos falou que era o primeiro dia do médico e este não falou nada em defesa do outro”, completou a mãe.

Em depoimento, o médico que atendeu a vítima declarou que realizou o exame físico “após pedir licença e na presença da mãe, sem nenhuma manifestação contra durante todo o procedimento”. 

“Expliquei a importância de várias manobras efetuadas e que meu exame foi rigorosamente aquele que deve ser feito em um caso dessa gravidade. Não encostei nem expus nenhuma região íntima”, disse ele às autoridades. 

O que diz o Hospital Beneficência Portuguesa 

Em nota, o hospital Beneficência Portuguesa disse que "repudia qualquer tipo de assédio e violência e está apurando os fatos internamente, assim como contribuindo com as autoridades para averiguação dos fatos”. 

Afirmou, ainda, que, “por precaução, suspendeu temporariamente o profissional das atividades do Pronto Socorro até que as investigações sejam concluídas". 

O que diz a Secretaria da Segurança Pública 

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou que o caso foi registrado como violação sexual mediante fraude pela 1ª Delegacia de Defesa da Mulher. 

“A unidade policial ouviu todas as partes envolvidas na ocorrência e instaurou inquérito policial para investigar o fato. Detalhes serão preservados por se tratar de crime sexual envolvendo menor de idade.”

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Homem que fazia 'delivery' de maconha é preso em flagrante em Mongaguá

'Disque Droga' funcionava no bairro Itaguaí e funcionava com divulgação nas redes sociais

Diário Mais

Siga 8 passos para tratar a piscina para evitar casos de dengue

Prática saudável da natação pode ser comprometida se medidas adequadas não forem adotadas para prevenir a proliferação do aedes aegypti

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter