Mãe de São Vicente põe tudo à venda por sonho da filha

Amanda Marques Nogueira de Souza, de 18 anos, precisa comprar passagens para garantir a matrícula na Universidade Federal de São Cristóvão, em Sergipe

Comentar
Compartilhar
01 FEV 2018Por Carlos Ratton10h00
Amiga da família, a advogada Débora Camilo, à esqueda, revela que situações como a de Jade e Amanda são muito comunsFoto: Paolo Perillo/DL

O que você faria para realizar o sonho de sua filha? A promotora de vendas Jandaia Marques, a Jade, não teve dúvidas. Para possibilitar a compra das passagens e garantir a matrícula da filha Amanda Marques Nogueira de Souza, de 18 anos, na Universidade Federal de São Cristóvão, em Sergipe, está vendendo bens pessoais -  um videogame Xbox com Kinect por R$ 1.000,00, um micro-ondas por R$ R$ 150,00, geladeira, fogão e outros eletrodomésticos. O prazo para garantir e matrícula termina na próxima quarta-feira (7).

“Estou correndo contra o tempo. Tenho fé que vou conseguir o dinheiro e ela vai poder fazer a matrícula e cursar a faculdade”, afirma Jade. A filha, aluna do Educação e Cidadania de Afrodescendentes Carentes - Educafro Valongo, foi aprovada pelo Sistema de Seleção Unificada (SiSU) e vai cursar Publicidade e Propaganda. A passagem de avião custa cerca de R$ 1,7 mil.

“Eu estou vendendo tudo. Ganho R$ 900,00 por mês. Vou morar com uma irmã e todo o meu salário será para manter a Amanda por cinco anos, tempo do curso superior”, afirma Jade que também é aluna do Educafro e pretende cursar Direito. Ela é moradora do Conjunto Habitacional Tancredo Neves, na Cidade Náutica, em São Vicente e vai se mudar para a casa da irmã, no México 70, caso consiga o dinheiro para a viagem da filha.

Situação comum

Amiga da família, a advogada Débora Camilo, ex-aluna e professora do Educafro, revela que situações como a de Jade e Amanda são muito comuns, infelizmente. Débora revela que os desafios nunca terminam. Sair de uma escola pública sem qualidade e disputar com jovens que cursaram ensino particular é apenas dois deles.

“No Educafro que, com muita luta e ajuda de voluntários, há 15 anos faz um trabalho de cidadania na região, você adquire conhecimento para que a disputa seja menos desigual. Mesmo assim, as dificuldades não param. Se o aluno consegue boa nota no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e uma vaga numa universidade federal, ele precisa de uma estrutura mínima para se manter. Muita gente pobre e com capacidade acaba desistindo do sonho, porque tem que optar entre estudar e trabalhar. O que é extremamente injusto”, afirma Débora.

A advogada lembra que o aluno Educafro tem outras lutas por ser pobre e negro. Tem que encarar os mais diversos preconceitos. Segundo relata, muitos adolescentes chegam no curso com autoestima baixa e extremamente carente de tudo. “Nós, professores, sempre falamos que eles só não têm as mesmas condições financeiras dos outros, mas a capacidade intelectual é a mesma”, afirma.

Débora ainda explica que os problemas não acabam na universidade. Lá, esse aluno encontra situações muito difíceis. “Muita gente aponta o dedo para o cotista em uma instituição particular. Além disso, tem que comer, vestir, enfim, sobreviver. Muita gente desiste. O sistema foi feito para isso, mas lutamos para quebrá-lo”, revela a advogada, que acredita que tudo dará certo para Jade e Amanda.

Com um olhar de esperança, Jade finaliza ressaltando que a filha sofre de depressão e o estudo é sua única ‘válvula de escape’. “A psicóloga me disse que o estudo é sua única alternativa. Essa oportunidade é de fundamental importância para a Amanda. Vou vender tudo e farei o possível para ajudar minha menina.

Depois, eu compro tudo de novo”. Para entrar em contato para ajudar Jade e Amanda, basta ligar nos seguintes telefones: (13) 99141-0716, 99755-6504 e também no Diário do Litoral (DL) – 3301-9777.

SiSU

O SiSU é um sistema de reserva de vagas, organizado pelo Ministério da Educação (MEC), no qual instituições públicas de ensino superior oferecem vagas para candidatos participantes do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem). Universidades públicas de todo o país oferecem, semestralmente, mais de 230 mil vagas. Os candidatos com melhor classificação são selecionados, de acordo com suas notas no exame.