Prolongamento da Dom Pedro começa a sair do papel em Guarujá

Licitação para a obra, aguardada há mais de quatro décadas pela população, deve ser publicada no próximo semestre

Comentar
Compartilhar
23 NOV 2020Por Caroline Souza07h00
A obra de prolongamento da Avenida Dom Pedro I ajudará a escoar o trânsito na orla da cidade.Foto: DIVULGAÇÃO

Uma importante obra, aguardada há mais de quatro décadas pela população de Guarujá, deve sair do papel em breve. Trata-se do prolongamento da Avenida Dom Pedro I, que possibilitará a interligação viária direta entre os bairros de Enseada e Pernambuco. A expectativa é que a obra, quando finalizada, ajude a escoar o trânsito na orla da Praia da Enseada.

O Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (Eia-Rima) foi concluído no ano passado e depois entregue à Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb).

"Estamos na fase do atendimento do 'Comunique-se' por parte da Cetesb", explica a secretária de Planejamento e Gestão, Polliana Iamonti. "Isso quer dizer que eles (Cetesb) fazem vários apontamentos a respeito do Eia-Rima e emitem um 'Comunique-se'. A Cetesb autorizará o início das obras desde que a gente atenda o 'Comunique-se' dela", completa. Outros órgãos ambientais ainda precisam ser consultados.

A próxima etapa é a confecção do projeto para captação de recursos. "Estivemos no Ministério do Desenvolvimento Regional, eu e o prefeito, e já fomos direcionados para uma diretoria que teria recursos para gente fazer a obra propriamente dita", afirma Polliana.

Segundo a secretária, a estimativa da obra é de R$ 95 milhões. "Mas o valor é prematuro, porque só conseguimos ter o detalhamento após a entrega do Eia-Rima, com os ajustes solicitados pela Cetesb".

Polliana disse não ter previsão para o início das obras, "mas estimamos que no próximo semestre de 2021 a gente consiga publicar a licitação, só depois que iniciamos as obras propriamente ditas".

MODAL VIÁRIO

Recentemente, o prefeito reeleito Válter Suman também falou sobre a criação de um novo modal viário de entrada.

De acordo com a secretária de Planejamento e Gestão, trata-se de um modal na entrada da Cidade, com o intuito de escoar o trânsito que chega na Rodovia Cônego Domênico Rangoni e congestiona o trecho da Avenida Santos Dumont com a Avenida Puglisi.

"Também estivemos no Ministério buscando orientação e até a modalidade dessa contratação, de como buscaríamos esse recurso e estou tratando com o Ministério como podemos fazer o estudo da viabilidade, depois partimos para a contratação propriamente dita", esclarece. É o estudo de viabilidade que vai dizer qual a melhor opção a ser adotada.