Lágrimas de felicidade marcam a entrega de mais 131 moradias em São Vicente

Unidades são no Residencial 'Recanto dos Girassóis'. Projeto terá mais 229 apartamentos

Comentar
Compartilhar
02 OUT 2018Por Da Reportagem09h00
Famílias foram contempladas com apartamentos do Residencial 'Recanto dos Girassóis'Famílias foram contempladas com apartamentos do Residencial 'Recanto dos Girassóis'Foto: Divulgação/PMSV

Muitas lágrimas entre sorrisos marcaram o momento em que um antigo sonho virou realidade para 131 famílias. No domingo (30/09), elas foram as primeiras, no total de 360, contempladas com apartamentos do Residencial “Recanto dos Girassóis”, no Catiapoã.  Algumas, inclusive, arriscaram dizer que o conjunto habitacional simbolicamente vai se chamar “Sonho Meu”.

Com as novas moradias desta primeira fase (H1), São Vicente chegou a 1.557 unidades entregues desde o início da atual administração, consolidando-se como a Cidade que mais beneficiou famílias de baixa renda com imóveis de interesse social na região. Na segunda fase de entregas (H2), prevista para as próximas semanas, mais 131 famílias realizarão o sonho de receber a chave da casa própria. Na terceira fase (H3), prevista para março de 2019, serão mais 98.

“Nosso sonho está sendo realizado. Estamos vivendo em um abrigo desde que a nossa casa foi destruída na enchente. Agora, as coisas começam a mudar e vamos seguir em frente. Esta chave tem um significado muito importante para a minha família. Este aqui é o meu pedaço de chão. É o Sonho Meu”, comentou Elisângela Briano da Silva Soares, de 40 anos.

Ao lado do marido, Anderson Azevedo Soares, de 37 anos, Elisângela foi uma das primeiras a receber a chave. Nos próximos dias, ela deve ocupar um dos apartamentos do Residencial, construído no número 356 da Rua José Benedito Henriques, no Catiapoã. “A ansiedade, agora, é pela mudança”, disse a dona de casa, fazendo referência ao dia da transferência para o imóvel.

Após a entrega das chaves, os contemplados pensam em mudar o mais rápido possível para o novo imóvel. Isso, no entanto, acontecerá de forma gradativa, com um número definido de mudanças por dia, para que a logística das ocupações ocorra de forma tranquila para todas as famílias.

“Moramos em uma casa improvisada no Jardim Rio Branco. Este é um antigo sonho que estamos realizando. Agora, vou crescer e seguir em frente junto da minha família”, garantiu o cozinheiro Edson Ferreira de Araújo, de 49 anos, ao lado da esposa Letícia e dos dois filhos.

Para o casal Vanessa Fernanda Caetano Esteves Marques, de 42 anos, e Luiz Carlos Esteves Marques, de 51, mais do que a realização do sonho da casa própria, o novo imóvel significará conforto para os filhos, os gêmeos Carla e Aquidauana, de 21 anos e Cauan, de 20. Aliás, em especial para o caçula, que utiliza cadeira de rodas para se locomover.

“Conseguimos um apartamento adaptado para ele. Essa é uma luz que surgiu em nossas vidas. É o dia mais feliz para minha família”, agradeceu Vanessa, ao lembrar que alguns dos apartamentos foram adaptados para quem tem necessidades especiais.

 O Conjunto foi elaborado pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU), em parceria com a Prefeitura de São Vicente. Nesta primeira fase, também beneficia 60 famílias de Cubatão, provenientes do Projeto Serra do Mar e outras 71 que vivem em moradias improvisadas no Canal do Meio, no Caminho das Índias e na Comunidade Charm´s, em São Vicente.

Emoção

Mesmo impossibilitado de ir à entrega por causa da agenda de compromissos, o prefeito de São Vicente, Pedro Gouvêa, que foi representado pelo secretário de Habitação, o arquiteto Luiz Terra, mandou uma mensagem às famílias, destacando a emoção pela conquista. “Este é um momento de muita emoção para todos nós, pois estamos proporcionando, juntamente com a CDHU, a felicidade para essas primeiras 131 famílias, de um total de 360, de realizar o sonho da casa própria. Além de ser um orgulho, por termos conseguido transformar São Vicente na Cidade da Baixada Santista que mais entregou unidades habitacionais nestes últimos dois anos”, destacou.

Luiz Terra falou sobre o fato de as famílias terem a chance de mudar para uma nova casa. “É um momento especial, pois estamos oferecendo moradia digna para essas famílias. Elas, no entanto, estão recebendo mais do que a chave de um novo imóvel. Estão recebendo a chave que, com certeza, abrirá novas e boas perspectivas de uma vida melhor”, lembrou.

Já o presidente da CDHU, Humberto Schmidt, falou sobre a missão da Companhia. “É gratificante para todos nós poder atender a estas famílias, que estavam vivendo de forma inadequada, com a realização do sonho de um novo lar. É a nossa missão. E a nossa felicidade é ver contemplada a felicidade dessas famílias”, disse.          

Números

Segundo levantamento da Prefeitura de São Vicente, por meio da Secretaria de Habitação (Seab), a Cidade tem, atualmente, um déficit de 16.605 unidades habitacionais. Este número é baseado nos dados referentes às famílias que já viviam em áreas de invasão, em moradias improvisadas ou que pagam aluguel excessivo e não compatível com a renda, e na projeção feita sobre os jovens que nos últimos anos constituíram família, sem, no entanto, garantir uma habitação própria.