João e Maria criam a casa de doces

Mãe e filho iniciaram com delivery durante 2019, viram movimento aumentar durante pandemia e agora têm espaço físico

Comentar
Compartilhar
21 FEV 2021Por LG Rodrigues12h45
O período da pandemia representou um momento de explosão nos negócios e mãe e filho passaram a receber pedidos como nuncaFoto: Nair Bueno/Diário do Litoral

A versão caiçara de um dos mais famosos contos de fadas do século retrasado, e que já foi motivo de matéria aqui no Diário do Litoral pelas mãos de nossa repórter Thaís Moraes Macedo, ganhou um novo capítulo em 2021. Filho e mãe, João e Maria, realizaram uma importante conquista em suas vidas: uma loja para chamar deles.

A trajetória do 'Hänsel e da Gretel' que nasceram com o pé na areia da praia começou durante os anos mais recentes e bem distantes do 1812 que presenciou a primeira publicação da história pelas mãos dos irmãos Grimm.

A ideia de fazer dos doces uma forma ocorreu após Maria José Lacerda, de 61 anos, ter perdido o marido, com o qual ela dividiu o cuidado do carrinho 'Pastel da Zezé', que fica na praia do Embaré, em Santos.

Depois de receber a sugestão do filho, João Lucas Lacerda, de 24 anos, ela começou a preparar doces para vender, gerar renda extra e ocupar os pensamentos ainda de luto pelo companheiro que se foi. Com o sucesso das guloseimas, veio a decisão: João e Maria venderiam doces pra toda a Baixada Santista. Poucos anos depois disso, a grande conquista, a 'casa de doces' de ambos passou a existir.

"Já queríamos né, mas só que tava tudo muito caro. Qualquer espacinho era muito dinheiro e a gente não tinha funcionário, então tínhamos que nos preparar, mas o sonho de ter nosso espaço sempre estava ali guardado. Não tinha como. Aí eu conheci a Lisandra, que tem um 'coworking'. É um prédio bem dividido que tem sala para aulas de inglês, salas para contabilidades e essa ideia bacana durante esse período de pandemia cresceu muito aqui em Santos e decidimos aderir a essa tendência", afirma Hansel, digo, João.

O período da pandemia, aliás, representou um momento de explosão nos negócios e mãe e filho passaram a receber pedidos como nunca antes.

"Com essa pandemia nós sabemos que muitos lugares foram prejudicados, mas acho que na área de alimentos cresceu muito, ainda mais pelo delivery, então o pessoal acabou conhecendo muito mais o 'João e Maria' agora. Ainda mais pelo iFood também, então as entregas tiveram um aumento de 300% e nós acabamos conseguindo um pouco mais de nome".

A adesão ao 'coworking' acabou caindo como uma luva para ambos e o espacinho deles já está gerando fãs nas vizinhanças, aumentando ainda mais o público fiel que marca presença diariamente com os pedidos feitos pela internet.

"Agrega muito mais tanto a um quanto a outro. É um movimento como via de duas mãos porque nos ajuda e os ajuda, mas o delivery segue firme e forte pelo iFood e tem tido bastante saída".

Nestes últimos tempos, os outros espaços no ambiente de 'coworking' têm tido menor movimento, mas João afirma que a volta das aulas em outras salas do prédio onde ambos estão deve fazer a 'casa de doces' ficar ainda mais famosa. Para celebrar a conquista da primeira unidade, aliás, ele e a mãe decidiram trazer inúmeras novidades para o ambiente.

"A gerente já veio para cá renovando tudo, temos agora taças de doces porque com o espaço podemos oferecer sobremesas mais trabalhadas e fizemos um cardápio totalmente novo. Adaptamos tudo e já estamos 100%. Temos milkshakes, tortas, tudo que o cliente quiser", conclui.

Para quem já conhece os doces de João e Maria ou quiser conhecer a casa de doces de ambos, é fácil, basta procurá-los na Rua Luiz Suplicy, 31, no Gonzaga, sempre de terça a sexta-feira das 14h às 19h e durante os fins de semana das 14h às 21h.