Isenção para imóvel atingido por enchente segue para sanção em Santos

Projeto que autoriza Executivo a dar benefício para a imóveis na Zona Noroeste foi aprovado

Comentar
Compartilhar
07 FEV 2017Por Diário do Litoral10h00
Após passar em duas discussões, projeto segue para sanção de Paulo Alexandre Barbosa. Mesmo que seja aprovada a lei, chefe do Executivo pode negar isençãoApós passar em duas discussões, projeto segue para sanção de Paulo Alexandre Barbosa. Mesmo que seja aprovada a lei, chefe do Executivo pode negar isençãoFoto: Matheus Tagé/DL

A Câmara aprovou, em segunda discussão, o projeto de lei complementar 01/2015, que autoriza o Poder Executivo a conceder isenção de Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e taxa de remoção de lixo domiciliar  aos bens imóveis localizados na Zona Noroeste e que forem danificados por inundações. A isenção poderá  será concedida somente até finalização das obras abrangidas pelo projeto Santos Novos Tempos.
O projeto segue agora para sanção do prefeito Paulo Alexandre ­Barbosa.

Entre os imóveis favorecidos pelo projeto de lei estão os bens danificados  que sofreram ou vierem a sofrer danos materiais em razão das enchentes, inclusive nas instalações elétricas e ­hidráulicas.

Os valores das isenções autorizadas nesta lei complementar estão fixados em até R$ 20 mil.

Caso seja aprovado o projeto, os interessados deverão formalizar requerimento dirigido ao secretário municipal de Finanças, solicitando a concessão dos benefícios fiscais e fazendo a prova do cumprimento das condições para sua obtenção.

A Prefeitura ficará incumbida de elaborar relatórios contendo a relação dos bens imóveis afetados pelas inundações, que serão encaminhados para a Secretaria Municipal de Finanças para fundamentação dos despachos concessivos das isenções.

Assim como dito pelo vereador Benedito Furtado (PSB) na sessão de quinta-feira, o líder do governo, Ademir Pestana (PSDB) voltou a lembrar  que o projeto é autorizativo e, sendo assim, não obriga o chefe do Executivo a dar a isenção.

“É um projeto autorizativo, ele não obriga o prefeito a fazer a isenção. Isso é uma discussão maior, que será levada ao prefeito com a secretaria correspondente, e cabe ao prefeito acatar ou não. É deixar claro porque, às vezes, somos cobrados dizendo que fizemos o projeto e que o prefeito tem que cumprir. Não, neste caso depende dele. É como se disséssemos: ‘prefeito, estamos sensibilizando para ver se é possível. É esse o ­caminho’”, disse Pestana.

Manoel Constantino (PSDB) disse que o projeto é algo simples e manteve a esperança que o prefeito irá dar prosseguimento ao projeto.

“É uma coisa muito simples, e com certeza será avaliada com muita atenção pelo senhor prefeito municipal. É necessário que se tenha sensibilidade para entender que não é fácil uma pessoa ter sua casa invadida pelas águas e perder tudo que tem. Quantas vezes já ouvi pessoas dizerem estavam dormindo e acordaram colocando o pé na água?”, comentou Constantino.

“Vou voltar favorável ao projeto em função do conhecimento que tenho e do sofrimento que eu vejo passar grande parte da população residente  da Zona Noroeste, que tem suas residências invadidas pelas águas naquela região. Não é possível a pessoa viver lá. A Zona Noroeste é a caçula da cidade, mas grande parte da população sofre com as constantes enchentes”, completou o vereador, ressaltando que várias propostas foram feitas e dinheiro investido para tentar solucionar o problema.

Cópia. Em sessão realizada na última quinta-feira, o vereador Adilson Júnior (PTB), autor do projeto, disse que o projeto é uma cópia de uma lei do Poder Executivo, que deu isenção a imóveis afetados pela queda do avião do presidenciável Eduardo Campos (PSB), em agosto de 2014.

“Claro que é um dos nossos principais objetivos que a gente não conviva mais com isso. Ter pessoas, dentro das suas casas, perdendo seus móveis, perdendo seus bens e pisando na água. Se a gente concede uma isenção de IPTU numa tragédia como essa (queda do avião), qual o tamanho de uma tragédia de uma enchente que acomete a casa das pessoas? O mínimo que se pode fazer, enquanto essa problemática não é resolvida, é também a própria prefeitura conceder essa isenção para as pessoas que tem suas casas atingidas pelas ­enchentes”, falou o autor do projeto.

O líder do governo, Ademir Pestana, já havia sido cobrado pelo vereador Fabiano  Reis (PR)  para que abordasse o tema com o Executivo.

“Peço que, nessas conversas ao pé do ouvido com o Executivo, tenha um pouco de carinho e atenção a esse tipo de lei. Não é só a Zona Noroeste que sofre com as enchentes. É a mais atuante, mas eu já acompanhei no Mercado Municipal e outras áreas periféricas. Mas na Zona Noroeste, às vezes,  não precisa nem chover. Somente com a lua nova, digamos assim, já sofremos com a maré alta”, falou Reis.

Projeto visa que empresas de transporte de valores não se instalem em áreas residenciais

A Câmara de Santos aprovou ontem, em discussão preliminar, o projeto de lei 64/2016, de autoria do vereador Sergio Santana (PR), que proíbe a instalação de novas empresas de transporte e guarda de valores em regiões residenciais.

Segundo o autor, o projeto foi concebido após o assalto a empresa de transporte de valores Prossegur, no dia 4 de abril do ano passado. A ação resultou em tiroteio. Segundo a polícia, três pessoas morreram e ao menos duas ficaram feridas. Entre os mortos, dois eram policiais militares e um morador de rua.

“Após aquele assalto cinematográfico ali no bairro da Encruzilhada, na Rua Silva Jardim, nós que representamos a segurança resolvemos, rapidamente, apresentar um projeto, e que seja visto com carinho pelo senhor prefeito, que proíba as novas empresas de serem instaladas em áreas residenciais, minimizando os riscos à população. Eu acho que, ainda hoje, as empresas estão instaladas e a prefeitura deveria ter tomado uma providência. Mas, já que não o fez, a gente rapidamente apresentou um projeto. Com certeza, gostaria que fosse avaliado por todos vereadores e que a gente pudesse aprovar esse projeto visando a segurança de pessoas em área de risco caso tenha outras empresas de valores”, disse Santana.

Além da proibição, o projeto autoriza o Executivo a conceder descontos no Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), para incentivar as empresas já instaladas a mudarem para zonas sem residências.

Com a aprovação, o projeto de lei volta para o Legislativo para que seja discutido nas comissões internas antes de voltar a pautação pela Mesa ­Diretora.