Interditado acesso no porto para usuários de catraias

Em média, 8.500 mil pessoas utilizam diariamente o transporte de catraias entre Santos e VC

Comentar
Compartilhar
24 FEV 201321h21

A escada de acesso que havia no Armazém XV do Porto de Santos para os passageiros das catraias foi fechada pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). O acesso ficava sobre o túnel por onde navegam as catraias com destino às estações da região do Mercado Municipal e de Vicente de Carvalho. Este acesso sempre foi utilizado pelos passageiros na alta da maré, quando fica inviável navegar pelo túnel. O fechamento da escada desagradou usuários desse meio de transporte.

Segundo o portuário, Daniel Sampaio Soares, a interdição da escada prejudica os usuários. “Muitos trabalhadores do porto como eu, que moram em Vicente de Carvalho, vêm trabalhar de catraia. E com o fechamento desse acesso, vai ficar difícil quando a maré subir. Há 70 anos existem as catraias e esse acesso. Agora, proibiram a gente de pegar a barca aqui. Pra gente que trabalha no porto, esse era o melhor acesso”.

O presidente da Associação dos Mestres de Vicente de Carvalho — Estação dos Catraieiros —, Walter Ferreira da Nóbrega, afirmou que 40 catraias transportam diariamente uma média de 8.500 passageiros, que, segundo ele, serão prejudicados nos dias de alta da maré. Walter disse que o acesso foi fechado no dia 26 de outubro. “O motivo alegado pela Codesp foi o ISPS Code. Devido a essa norma antiterrorista é que os passageiros não poderão mais ter acesso ao cais do Armazém XV”, afirmou Walter.

Para o portuário, Edison Netto, o motivo apresentado “não justifica o que fizeram”. “Muitos trabalhadores e estudantes pegam a catraia todos os dias. O movimento é grande e isso vai prejudicar”, disse Netto. Outro usuário, o professor Márcio Ubaldo da Silva também está descontente com a medida. “Moro em Vicente de Carvalho e esse acesso era mais viável quando eu ia a Santos para lecionar”.

O presidente da Associação disse que a interdição da escada será discutida na reunião agendada para a próxima segunda-feira, na Codesp, da qual devem participar ainda representantes das Prefeituras de Santos e Guarujá. “A Codesp nos ofereceu a transferência do ponto de embarque do Armazém XV para o Armazém VI, no cais da Alfândega, mas para nós é inviável porque ali já tem a Estação das Barcas da Dersa”, afirmou Walter.

Já a Codesp, informou por meio da assessoria de imprensa, que oficiou aviso à Associação dos Catraieiros 30 dias antes de fechar a escada no Armazém XV e que interditou aquele acesso por três motivos: “pelas condições de segurança, uma vez que a escada oferecia risco aos passageiros; pelo fato de os usuários embarcarem e desembarcarem no meio das operações portuárias; e em atenção às normas do ISPS CODE, que não permite o trânsito de pessoas, que não sejam os trabalhadores do porto, em área alfandegada. Quanto a sugestão do Armazém VI para embarque e desembarque nas catraias não foi confirmada pela assessoria da Codesp.