Infra-estrutura e logística no II Fórum Brasil de Comércio Exterior

O objetivo do encontro é discutir os gargalos do porto visando soluções por parte das autoridades competentes

Comentar
Compartilhar
02 MAR 201321h08

Autoridades e empresários de comércio exterior participaram ontem do primeiro dia do II Fórum Brasil de Comércio Exterior, no Mendes Convention Center, em Santos, para discutir infra-estrutura e logística retroportuária. A abertura foi às 14h30. O encontro é promovido pela Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de São Paulo (Fetcesp) e TV Brasil.

Entre os presentes estavam os prefeitos João Paulo Papa (Santos), Clermont Silveira Castor (Cubatão) e Farid Said Madi (Guarujá), o subsecretário de planejamento portuário da Secretaria Especial de Portos, Carlos Alberto La Selva — representando o ministro-chefe Pedro Brito que participará nesta quinta-feira, do último dia do encontro — e o superintendente da Infraero Regional Sudeste, Edgar Brandão.

Outros temas dos painéis do Fórum Brasil de Comércio Exterior 2007 são integração dos órgãos de fiscalização; impactos da Lei 11.442/07 no transporte e logística e cidades portuárias.

“O objetivo deste encontro é podermos discutir com todos os agentes envolvidos a melhor logística para o nosso porto. Temos problemas na infra-estrutura de acesso, dragagem. Então o intuito é apontarmos as questões para que as autoridades saiam daqui comprometidas em resolver parte dessa situação. O momento é muito oportuno para estarmos minimizando estes problemas”, declarou o presidente da Fetcesp, Flávio Benatti.

Em sua apresentação, o diretor de Infra-estrutura e Serviços da Codesp, Arnaldo de Oliveira Barreto, chamou a atenção para investimentos da ordem de R$ 90 bilhões “para dotar os portos brasileiros de infra-estrutura necessária para o desenvolvimento econômico do porto”. Sobre o porto de Santos, destacou, principalmente, “a necessidade de investimentos na infra-estrutura de acesso rodoviário, ferroviário e hidroviário”.

Barreto falou ainda sobre a dragagem de aprofundamento, em processo de licenciamento ambiental, que permitirá a atracação, no porto de Santos, de navios maiores. “Criamos na Codesp um comitê de infra-estrutura e logística do porto para debater ações para equacionar também os congestionamentos de caminhões com destino ao porto”, afirmou Barreto, considerando o aumento de 12% na movimentação de carga no porto de Santos, neste primeiro semestre.

O prefeito Papa enfatizou a importância da integração cidade e porto. Destacou a necessidade de um planejamento de logística de transporte “harmônico” entre os municípios portuários e os planos de desenvolvimento do porto de Santos. “Esta semana, por exemplo, estamos diante de uma grande polêmica que é a falta de estacionamento para caminhões”, disse ele ressaltando que as autoridades do porto devem providenciar melhor os bolsões de estacionamento entre o planalto e a Baixada para equacionar os transtornos no perímetro urbano. “O seminário é uma oportunidade de se discutir essas questões publicamente com os governos, empresários e trabalhadores do porto. O seminário não toma decisões, mas aponta caminhos”.

O prefeito Clermont disse que o simpósio é uma “oportunidade a mais de falar sobre o nosso projeto industrial naval em Cubatão que deverá gerar muitos empregos na Cidade”. O prefeito ressaltou que a Prefeitura é apenas parceira do empreendimento que deverá ser custeado pela iniciativa privada. “Será uma alavanca no desenvolvimento sócio-econômico de toda a Região, e não só na área portuária”.