Inflação para terceira idade perde força no 3º trimestre, diz FGV

IPC-3i desacelerou para 0,05%, mas acumula alta de 4,25% em 12 meses. Recuo nos preços de alimentos contribuiu para resultado

Comentar
Compartilhar
15 JAN 201322h11

O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i) desacelerou para 0,05% no terceiro trimestre, após marcar 0,92% nos três meses anteriores. Em 12 meses, o índice acumula alta de 4,25%.

Contribuíram para essa perda de força do ritmo de alta os preços dos grupos alimentação, que saiu de alta de 0,01% para declínio de 1,27%, e vestuário, que deixou uma elevação de 3,58% para baixa de 0,87%.

Com ritmo de alta mais moderado entre o segundo e terceiro trimestre, apareceram habitação (1,38% para 0,85%), despesas diversas (1,12% para 0,33%), saúde e cuidados pessoais (2,12% para 1,05%) e educação, leitura e recreação (0,74% para 0,05%).

Transportes destoaram, ao partir de recuo de 0,62% entre abril e junho para incremento de 0,33% nos três meses até setembro. Essa inversão foi relacionada ao item álcool combustível, que registrou um ritmo de queda menos marcado (-18,20% para -7,73%).

Em 12 meses, o IPC-3i, que mede a variação da cesta de consumo de famílias majoritariamente compostas por indivíduos com mais de 60 anos de idade, aumentou 4,25%.