Indonésia encerra buscas pelos 56 desaparecidos no avião da AirAsia

Em 28 de dezembro, o voo QZ8501, com 162 pessoas a bordo, fazia uma curta viagem entre a cidade indonésia de Surabaya e Singapura, na Malásia, quando enfrentou mau tempo e caiu

Comentar
Compartilhar
17 MAR 201518h45

 

A Indonésia decidiu encerrar hoje (17) as buscas pelas vítimas do acidente do avião da AirAsia, ocorrido em dezembro de 2014, apesar de 56 corpos continuarem desaparecidos.

Em 28 de dezembro, o voo QZ8501, com 162 pessoas a bordo, fazia uma curta viagem entre a cidade indonésia de Surabaya e Singapura, na Malásia, quando enfrentou mau tempo e caiu no Mar de Java, o que desencadeou uma busca internacional, com navios e aeronaves de vários países nos esforços para encontrar destroços do avião – um Airbus A320-200 – e as vítimas.

Nas últimas semanas, a busca sofreu um recuo considerável, com a retirada de navios estrangeiros e de militares indonésios, que tinham colocado à disposição a maior parte do pessoal e do equipamento.

As equipes da Agência Civil de Busca e Salvamento da Indonésia prosseguiram a busca, embora numa escala menor, e encontraram mais alguns corpos e restos do Airbus, mas a coordenação decidiu que os esforços "terminariam completamente" hoje, devendo os quatro navios ainda envolvidos no processo regressar a Jacarta na quarta-feira (18).

A Indonésia encerrou as buscas pelos 56 desaparecidos no avião da AirAsia (Foto: Divulgação)

Ao todo, foram recuperados os corpos de 106 ocupantes do avião, permanecendo 56 desaparecidos. Tony Fernandes – responsável pela AirAsia, companhia aérea de baixo custo da Malásia, citado pela agência AFP – considerou que a operação foi "bem-sucedida", mas "não podia durar para sempre", tendo o fim das buscas sido determinado "com o acordo das famílias das vítimas".

Até agora, o Comité de Segurança dos Transportes da Indonésia lançou pouca luz sobre as causas do acidente ou o que ocorreu nos momentos antes da tragédia, sabendo-se apenas que a queda da aeronave foi rápida e que, momentos antes, o copiloto estava no comando do avião, no lugar do piloto, mais experiente.