Indonésia defende execuções como parte de sua guerra contra as drogas

A Indonésia executou por fuzilamento oito condenados à morte por tráfico de drogas, sete dos quais estrangeiros, incluindo o brasileiro Rodrigo Gularte

Comentar
Compartilhar
29 ABR 201512h08

O procurador-geral da Indonésia, Muhammad Prasetyo, defendeu hoje (29) a execução dos estrangeiros condenados à morte por crimes relacionados com as drogas, afirmando que o país enfrenta uma "guerra" contra o tráfico.

"Estamos lutando uma terrível guerra contra os crimes relacionados às drogas que ameaçam a sobrevivência da nossa nação", disse Muhammad Prasetyo.

A Indonésia executou por fuzilamento oito condenados à morte por tráfico de drogas, sete dos quais estrangeiros, incluindo o brasileiro Rodrigo Gularte.

Além de Gularte, foram executados dois australianos, quatro nigerianos e um indonésio (Foto: Associated Press/Estadão Conteúdo)

Uma mulher filipina, Mary Jane Veloso, que estava na lista de condenados, teve a execução suspensa no último momento.

Além de Gularte, foram executados dois australianos, quatro nigerianos e um indonésio.