X
Cotidiano

Indígenas, negros e profissionais da saúde são homenageados com grafite nos 490 anos de São Vicente

Mural tem mais de 80 metros quadrados e se encontra na lateral do Paço Municipal

Indígenas, negros e profissionais da saúde são homenageados com grafite nos 490 anos de São Vicente. / Divulgação/Prefeitura de São Vicente

Um mural com mais de 80 metros quadrados na lateral da entrada da Prefeitura começa a ser grafitado, neste sábado (22), aniversário de 490 anos da Cidade.

A ideia é que, por meio da arte urbana, sejam representadas todas as pessoas que, em dois momentos marcantes da história (passado e presente), lutaram pelo povo e pela terra.

O mural vai homenagear três personagens centrais: uma mulher indígena como médica, uma mulher negra como cientista e um homem representando a Enfermagem.

"Aqui a gente conecta arte, história, cultura e uma linda, e mais do que merecida, homenagem aos nossos profissionais da Saúde, que tanto batalharam nessa pandemia e ajudaram a salvar milhares de vidas", ressaltou o prefeito Kayo Amado.

A iniciativa, com custo zero para a Administração Municipal, foi idealizada pelo Instituto Adesaf (Articulação de Tecnologias Sociais e Ações Formativas), por meio de projeto apresentado à Secretaria de Estado da Cultura e Economia Criativa, fruto de emenda parlamentar da deputada estadual Márcia Lia. 

“Essa luta que vamos destacar no mural acontece todos os dias, há quase 24 meses, com a união e o esforço de todos os trabalhadores da Saúde e da Ciência. Pessoas essenciais para vivermos hoje os ‘novos normais’. Lutar nos faz evoluir como pessoa e cidadão. E é isso que vamos abordar”, explica a diretora-presidente da instituição, Fernanda Gouveia.

Grafiteiros

Leandro Shesko e Andressa Sirius trabalham juntos desde 2012, criando murais para decorar ambientes e produzindo arte urbana em grandes fachadas e espaços públicos.

O visual das suas obras vem, principalmente, da união entre as mandalas de Sirius e as imagens orgânicas desenhadas por Shesko, finalizadas com traços e contornos característicos, em composições coloridas de fino acabamento. 

O casal possui trabalhos espalhados por toda a Baixada Santista e vem expandindo suas obras para as capitais e o mundo.

“Queremos representar a resistência dos indígenas e mostrar que a luta deles no passado foi válida, e que hoje eles também podem e devem ter oportunidades de estudo e inclusão na sociedade. A médica indígena é a quebra de padrões em que só os homens brancos privilegiados são cientistas, doutores e heróis”, destaca o casal Sirius e Shesko.

A previsão é de que os trabalhos sejam concluídos no dia 2 de fevereiro.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos

Semana do Brincar em Santos começa neste domingo com atividades para a família na orla

De 23 a 26 de maio, várias atividades serão realizadas nas escolas municipais

Polícia

Caçada a Cupertino teve campana em velório e fuga em caminhão de melancia

Polícia Civil usou um leque variado de estratégias de investigação na caçada do empresário acusado de matar o ator de Chiquititas Rafael Miguel e os pais

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software