Hospital dos Estivadores inicia atendimento na maternidade

Três gestantes deram entrada na maternidade do complexo hospitalar na noite de ontem

Comentar
Compartilhar
03 FEV 2017Por Da Reportagem09h00
Reinaugurado em 22 de dezembro, hospital não abriu as portasFoto: Divulgação/PMS

A Maternidade do Complexo Hospitalar dos Estivadores iniciou o atendimento ao público na noite de ontem. Por volta das 19h30, deu entrada a primeira paciente: a gestante Viviane Lima de Oliveira, 31 anos, que estava acompanhada do marido Glauber Fernandes da Silva. Até as 21h, mais duas pacientes chegaram no hospital, uma delas encaminhada pela Santa Casa.

“A expectativa é enorme. Estou ansiosa apesar de ser a terceira gravidez”, contou Viviane, moradora do Marapé, antes de ser transferida de ambulância do Hospital Guilherme Álvaro para o Hospital dos Estivadores. Grávida de um menino, ela já é mãe da Isadora, de 8 anos, e do Pedro Henrique, de 2.

“Espero que dê tudo certo para as outras mães também”, disse Viviane, ressaltando a importância do equipamento para melhorar o atendimento às gestantes e recém-nascidos atendidos pelo SUS na Baixada Santista. “Estamos bastante ansiosos e na expectativa de conhecer a estrutura nova”, revelou o futuro papai já na chegada ao Estivadores.

Coletiva de imprensa

A Prefeitura de Santos e o Instituto Social Hospital Alemão Oswaldo Cruz atenderão a imprensa nesta sexta-feira para falar sobre o início do funcionamento do hospital. A coletiva será no Centro Hospitalar dos Estivadores, às 10h30.

Reinaugurado em 22 de dezembro, hospital não abriu as portas

O Hospital dos Estivadores foi reinaugurado na manhã de 22 de dezembro em solenidade que contou com a presença do governador Geraldo Alckmin, além do prefeito Paulo Alexandre Barbosa. Entretanto, a unidade não havia aberto as portas para atendimento ao público até ontem à noite. Na ocasião, a Prefeitura de Santos informou que a unidade estava fechada, pois ainda era preciso concluir alguns testes.

O complexo hospitalar foi finalmente aberto ao público, mas apenas a maternidade está funcionando. Anteriormente, a Administração Municipal já havia informado que os serviços do complexo seriam implantados em três fases. Na primeira fase, 18 leitos de alojamento conjunto, 10 leitos de terapia intensiva e cuidados intermediários neonatais, três suítes de pré e pós-parto e uma sala de centro obstétrico seriam liberados, o que deverá ser confirmado nesta sexta-feira em coletiva de imprensa convocada pela Prefeitura.

Outros 85 leitos de clínica geral, maternidade e UTIs adulto e neonatal seriam disponibilizados na segunda etapa, e outros 50 na terceira e última.

Ao todo, foram gastos R$ 46 milhões para a construção do hospital e outros R$ 12 milhões para complemento de estrutura, como elevador, ar-condicionado e ventiladores.

A gestão do hospital está a cargo do Instituto Social Hospital Alemão Oswaldo Cruz, organização social contratada por meio de licitação.