Hospital de Cubatão realiza desejo de paciente internada de rever seu jabuti

A ação faz parte do projeto 'O que importa para você?'. Entre os desejos, chamou a atenção o de uma paciente que pediu a visita do seu animal de estimação

Comentar
Compartilhar
13 ABR 2021Por Da Reportagem13h07
Maria do Socorro Sampaio, de 62 anos, que estava internada na UTI, pediu para ver seu animal de estimação: um jabutiMaria do Socorro Sampaio, de 62 anos, que estava internada na UTI, pediu para ver seu animal de estimação: um jabutiFoto: Divulgação

O Hospital de Cubatão, na Baixada Santista (SP) realizou mais uma edição do Projeto “O que importa para você?”. Um dos pilares do projeto é identificar quais são os desejos dos pacientes e, na medida do possível, tentar realizá-los. Administrado pela Fundação São Francisco Xavier, braço social da Usiminas nas áreas da Saúde e Educação, o Hospital de Cubatão foi o primeiro a desenvolver a iniciativa.  Entre os pedidos desta edição, o que mais surpreendeu foi o da paciente Maria do Socorro Sampaio, de 62 anos, que estava internada na UTI. Ela pediu para ver seu animal de estimação: um jabuti.

A iniciativa do projeto é uma forma de estimular a relação humanizada entre pacientes e profissionais de saúde com intuito de promover escuta e aprimorar o cuidado de saúde e assistência social com base no que realmente importa para o paciente. Para que pudesse ver o animalzinho de estimação, houve um esforço de toda a equipe, que levou o jabuti para um ambiente externo, dentro do próprio Hospital. “Meu coração hoje está do tamanho do mundo. Eu estava com muita saudade”, disse Maria, que no mesmo dia, no período da tarde, teve alta da Unidade de Terapia Intensiva.

O projeto tem impacto tanto para os pacientes, quanto para os profissionais da saúde, que ganham novo fôlego a cada edição. “Nós vimos isso no processo de cura dela. Porque, durante o dia, depois que a filha e o animalzinho de estimação foram vê-la, ela aceitou melhor a alimentação, que vinha rejeitando. Foi muito emocionante e gostoso para nós que prestamos assistência diariamente”, explica Samandha Gagliardi Iannuzzi, supervisora das UTIs e Pronto Atendimento na Fundação São Francisco Xavier (FSFX).

Grande parte dos pacientes desejou comer algo diferente ou a refeição feita por um familiar. Foi o caso da professora Elizângela Sales da Silva, que estava há nove dias no hospital. Como desejo, ela escolheu tomar uma simples vitamina. “Foi a primeira coisa que veio na minha cabeça. Fazia parte da minha rotina. Esse projeto é um aconchego para nós”, conta.

O Hospital de Cubatão (HC) aderiu ao “O que importa para você” em agosto de 2020, em meio à pandemia da Covid-19. Segundo o coordenador do projeto e Analista de Qualidade e Segurança da Fundação São Francisco Xavier, Kevin Cristian Souza da Costa “de lá para cá, 42 pacientes já foram atendidos. É um tratamento digno, que faz com que estes pacientes sejam contemplados clinicamente, mas também, atendidos de forma humanizada”.

Reconhecimento internacional

Administrado pela Fundação São Francisco Xavier, braço social da Usiminas nas áreas da Saúde e Educação, o Hospital de Cubatão foi o primeiro a desenvolver a iniciativa, que depois foi levada para outros três hospitais da FSFX, em Minas Gerais. Como resultado, os hospitais Márcio Cunha (Ipatinga-MG), Carlos Chagas (Itabira-MG) e de Cubatão (Baixada Santista-SP), foram os únicos no país a receberem a certificação “Beyond Call of Duty for Covid-19” (em português, “Além do Dever para Covid-19”), concedido pela International Hospital Federation (Federação Internacional de Hospitais - IHF). O título foi dado aos prestadores de serviços de saúde em todo o mundo que foram “além do dever” e implementaram, de forma proativa, respostas organizacionais inovadoras ou de destaque para enfrentar a pandemia em sua região ou país.

O movimento “O que importa para você?” teve início nos Estados Unidos. O CEO do Instituto norte-americano Healthcare Improvement em 2010, Maureen Bisognano, foi uma das pessoas que desafiaram os profissionais de saúde a terem conversas mais próximas com os pacientes e familiares.