Hospedaria dos Imigrantes deixa de ser prioridade pelo Centro Paula Souza em 2019

O terreno está contaminado por óleo combustível e o sonho do novo campus foi adiado para o próximo ano

Comentar
Compartilhar
21 MAR 2019Por Glauco Braga08h00
O prédio da Hospedaria dos Imigrantes vai continuar sem uso durante 2019Foto: Nair Bueno/DL

Sabe aquele sonho de ter um novo campus da Faculdade de Tecnologia (Fatec) dentro da área que abriga a antiga Hospedaria dos Imigrantes, na Rua Silva Jardim, 93/95, no Macuco? Pode esquecer. Pelo menos em 2019, isso não vai acontecer. A obra deixou de ser prioridade e algo pode acontecer lá somente a partir de 2020.

De acordo com a Assessoria de Comunicação do Centro Paula Souza (CPS)  a prioridade da instituição neste início de ano, em Santos, foi garantir a nova sede para abrigar a Etec Dona Escolástica Rosa, que teve que sair do imóvel na Aparecida.

Durante os serviços preliminares de restauração do prédio da Hospedaria dos Imigrantes foi identificada uma contaminação do solo que ainda terá de ser avaliada. Não há previsão financeira este ano para investimento nesse prédio.

O município é atendido atualmente por duas Etecs e uma Fatec.

História

O Governo de São Paulo adquiriu o terreno de 10,5 mil metros quadrados  em  29 de julho de 1891, de Gervásio de Andrade e Maria Macuco de Andrade, por 50 contos de réis. Em valores atualizados, algo em torno de R$ 5,1 milhões. A Hospedaria começou a ser construída em 1912 e terminou em 1917. O local deveria servir de abrigo para os estrangeiros que chegavam ao Porto de Santos. Porém, não existem registros que comprovem tal utilização.Em 1914, a obra foi interrompida por falta de verbas.

A primeira utilização do imóvel foi como armazém de café, em 1917. Depois entreposto de milho de 1928 até 1940. A área, então, passou a ser utilizada para estocagem de bananas, inclusive, com câmaras de maturação, por uma cooperativa de bananicultores, para atender os produtores de toda a região. Funcionou até o final da década de 60.

A Polícia Civil manteve de 1970 a 1998 uma oficina e um posto de combustíveis dentro do imóvel, isso explica a contaminação. A informação foi publicada com exclusividade pelo Diário do Litoral. Ela possuía bombas para abastecimento de álcool e gasolina, serviço de guincho, funilaria e pintura, e reparos de mecânica. O imóvel foi tombado em 98, quando a oficina foi desativada.

A Hospedaria dos Imigrantes foi tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Santos. O Nível de Proteção 1 proibia alteração nas áreas interna e externas.

Promotoria

A Promotoria do Meio Ambiente enviou um ofício ao CPS, em julho de 2018, e deu três meses para a apresentação de um plano de descontaminação. Procurada pela Reportagem para saber o que vai fazer diante da informação que o CPS não pretende fazer nenhuma obra na Hospedaria, a promotoria não se manifestou.

Colunas

Contraponto