Guarujá tem queda de 36% na ocupação de leitos após lockdown

Medidas restritivas, acompanhadas de rápida mobilização de leitos, foram responsáveis pela redução no número de internações

Comentar
Compartilhar
13 ABR 2021Por Da Reportagem13h27
Guarujá apresenta queda de 36% na ocupação de leitos 21 dias após a decisão da adoção de um lockdownGuarujá apresenta queda de 36% na ocupação de leitos 21 dias após a decisão da adoção de um lockdownFoto: DIVULGAÇÃO/PMG

Guarujá apresenta queda de 36% na ocupação de leitos 21 dias após a decisão da adoção de um lockdown em toda a região da Baixada Santista. Quando a medida foi tomada, em 19 de março, a Cidade registrava 100% de lotação dos leitos públicos. Já na última sexta-feira (9), uma semana após o fim do lockdown e no dia em que foi anunciada a mudança de fase do Plano São Paulo, do Governo do Estado, a taxa é de 64%.

Fator importante para reduzir a circulação do vírus e, consequentemente, o número de internações, a adoção das medidas restritivas precisou ser acompanhada por uma rápida mobilização do Município na criação e readaptação de leitos para que não faltasse assistência a quem fosse acometido pela doença.

Com sistema de saúde próximo do colapso, Guarujá precisou agir rápido para mobilizar mais leitos exclusivos para o tratamento de pacientes com a covid-19. Foram 20 leitos só no Hospital Santo Amaro (HSA), sendo 10 de enfermaria e 10 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e a implantação de um novo Hospital de Campanha, em Vicente de Carvalho com capacidade de até 50 leitos de baixa e média complexidade, foram medidas imediatas.

E desde o dia 1 de abril, após uma reorganização na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Rodoviária, foram contingenciados leitos de outras patologias para tornar a unidade uma referência para o atendimento e tratamento a pacientes com a covid-19.

Óbitos e casos ainda não desaceleraram

No entanto, os efeitos do lockdown ainda não puderam ser sentidos em relação ao número de óbitos e casos confirmados. Esses, na verdade, apresentam crescimento em comparação às semanas anteriores – em especial as mortes.

O aumento ainda é reflexo do novo pico da pandemia que já se desenhava desde o final de fevereiro e começo de março, condição que levou o Governo do Estado a criar uma fase emergencial dentro do Plano São Paulo e, posteriormente, a adoção de um lockdown na região da Baixada Santista.

A diminuição hoje vista na ocupação de leitos deve começar a se refletir na queda de mortes e casos confirmados. Isso porque entre a contaminação, incubação do vírus, manifestação dos sintomas e, infelizmente, uma evolução a óbito, o paciente leva cerca de 30 dias.

Para se ter uma ideia, na semana epidemiológica entre 26 de março e 2 de abril, a média móvel de óbitos era de 3,5. Já na última semana, entre 2 de abril e a última sexta-feira (9), foi de 5,5 – alta de 57%. Na semana da decretação do lockdown, a média era de 2,8.

Já em relação aos casos, o aumento foi mais discreto. Entre 26 de março e 2 de abril, a média móvel era de 75 casos diários. De 2 de abril até o último dia 9, 87 confirmações por dia – aumento de 16%.

Mas quando são comparadas as médias móveis da semana do início do lockdown (entre 19 e 26 de março) com a seguinte (26 de março a 2 de abril), o crescimento foi de 120%. Eram 34 casos em média confirmados por dia antes, aumentando para 75 na semana seguinte e diminuindo a curva ascendente na sequência.