Guarujá homenageia mulheres com medalha Tereza de Benguela

Honraria é um reconhecimento às mulheres que atuam na luta pela garantia de direitos sociais

Comentar
Compartilhar
05 AGO 2020Por Da Reportagem12h02
Cerimônia foi marcada pela emoçãoFoto: HYGOR ABREU/PMG

Em uma cerimônia marcada pela emoção, nove mulheres foram homenageadas por sua atuação na garantia de direitos sociais. Assim foi a 3ª edição da entrega da medalha Tereza de Benguela, promovida pela Prefeitura de Guarujá. A cerimônia aconteceu na última segunda-feira (3), no Paço Municipal Moacir dos Santos Filho, e teve como destaque o depoimento da pequena Heloysa Fonseca Souza, de 9 anos.

A garotinha, moradora do Jardim Boa Esperança, roubou a cena com um testemunho emocionante, de como enfrentou o bullying na escola. Heloysa leu um texto que escreveu sobre as dificuldades que passou por ser uma criança negra. "Eu quero que lá no futuro tenha acabado esse racismo. Nós negros, temos que dar valor a nós mesmos", enfatizou a menina, que também foi agraciada com uma medalha.

Acompanhada pela professora Ademara Santos, umas das homenageadas, a menina conseguiu superar o preconceito e ser um exemplo de motivação.

 

"Receber essa medalha foi muito significativo, pois faz referência ao Dia da Mulher Negra. Pedi para levar uma aluna para vivenciar esse momento comigo representando todas as meninas negras que passam pela travessia do preconceito e do racismo já na infância", revelou a professora Ademara Santos.

Homenageadas
Entre as homenageadas estão: Ademara Santos, Érica dos Santos, Lucineide Nascimento Cândido, Luzia Bezerra, Maria da Conceição Pereira Santos, Maria Martins de Oliveira, Priscila Nunes e Samira Pimenta.

Medalha
A iniciativa é coordenada pela da Secretaria de Relações Sociais (Seres), por meio da Assessoria de Igualdade Étnica e Racial, e conta com o apoio do Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra de Guarujá.
O nome escolhido para a medalha é uma homenagem a Tereza de Benguela, líder quilombola. Tereza coordenou o maior quilombo do Mato Grosso, que resistiu às ações de bandeirantes de 1730 a 1795, quando o espaço foi atacado e destruído, a mando da capitania regional. O dia 25 de julho é instituído no Brasil pela Lei n° 12.987/2018, como o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra.