X
Cotidiano

Guarujá cobra a Sabesp por falta de água em Vicente de Carvalho

Há escassez no Paecará, Jd. Boa Esperança, Santana, Prainha, Vila Áurea, Sítio do Outeiro, na Vila Lígia, no Jardim Progresso e Vila Alice

Pessoas estão com dificuldades para lidar com a falta d´água / Nair Bueno/DL

Há um mês vem faltando água em diversos bairros de Vicente de Carvalho, em Guarujá. Segundo informações obtidas com alguns moradores e até as que vem sendo publicadas nas redes sociais, o desabastecimento não chega a ser durante o dia inteiro, mas em horários específicos, causando transtornos para milhares de moradores em plena pandemia de Covid-19, principalmente na periferia.

Conforme apurado, há escassez no Paecará, Jardim Boa Esperança, Santana, Prainha, Vila Áurea, Sítio do Outeiro, na Vila Lígia, no Jardim Progresso e Vila Alice. Também no Monteiro da Cruz e Jardim Santense, além de Conceiçãozinha. O retorno é gradual e a situação vem causando transtorno para praticamente metade da população. Segundo informam, a pouca pressão está destruindo equipamentos, como máquinas de lavar e chuveiros. Há ainda quem não consiga fazer a higiene pessoal e até lavar a louça.

Prefeitura

A Prefeitura de Guarujá está acompanhando os episódios de desabastecimento de água em alguns bairros e cobrou a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Também notificou a Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp), que acabou motivando uma visita de técnicos do órgão à sede regional da Sabesp, em Santos.

O Município também quer uma reunião para discutir o assunto com técnicos da Arsesp. Os episódios de desabastecimento também foram relatados aos promotores públicos da Cidade, para que sejam avaliadas as medidas mais adequadas no âmbito do Ministério Público (MP).

Também está preparando e vai enviar à Câmara de Vereadores um projeto de lei que vai criar o Conselho Municipal de Saneamento Ambiental, instrumento que vai permitir estudo aprofundado do recorrente problema do desabastecimento e o cerne da ineficiência do serviço na Cidade.

Outra providência e que deve começar já nos próximos dias é uma série de vistorias nos reservatórios de água da Cidade, uma vez que Arsesp já apontou deficiências e falhas no sistema. Um Grupo de Trabalho também vai se reunir com o Procon Guarujá para avaliar as atitudes cabíveis contra a Sabesp sob a ótica do Código de Defesa do Consumidor.

O Município solicitou formalmente e já recebeu da Sabesp uma cópia do Plano de emergência de escassez de recursos hídricos de Guarujá, que será alvo de discussão entre os técnicos municipais, que pretendem avaliar se o planejamento é suficiente para aplacar os recorrentes problemas de desabastecimento sentido pelos moradores.

Sabesp

A Sabesp afirma que em alguns trechos do distrito são sentidos reflexos no consumo de água, que está maior que o habitual pela intensificação das práticas de higienização durante a pandemia, principalmente nas residências sem reservatórios internos (caixas-d'água). "E o consumo chega a ser três vezes maior nas áreas sem regularização fundiária, onde a Sabesp é impedida por lei de atuar e as perdas d'água causam maior impacto devido ao desperdício gerado com as ligações irregulares. A responsabilidade pela regularização fundiária é do poder público municipal", afirma em nota.

A empresa reitera que que a região está atravessando um longo período sem chuvas (estiagem) e que o consumidor deve reforçar os hábitos de higiene, mas sem se descuidar do uso consciente da água. Somente de Guarujá registrou 89% menos chuvas em abril e 69% em maio.

Afirma que vem mantendo caminhões pipa à disposição para atender emergencialmente os moradores, que diante de qualquer ocorrência devem entrar em contato e fornecer um endereço para que possa ser feita vistoria e providenciadas medidas técnicas que regularizem a situação.

A Central de Atendimento Gratuito funciona durante 24 horas, nos telefones 0800-0550195 ou 195. Além da Agência Virtual no www.sabesp.com.br ou no aplicativo para celulares e tablets iOS ou Android, que permite enviar fotos da ocorrência junto à denúncia.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Brasil

Governo: Mário Frias contrata por quase R$ 4 milhões empresa sem licitação e sem funcionários

A sede da empresa seria uma caixa postal em um escritório virtual a 2.400 km do Rio de Janeiro

Polícia

Corregedoria investiga aparição de pênis de borracha em academia da PM

A academia do Barro Branco tem aproximadamente 660 cadetes, além de cerca de 140 funcionários

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software